CS 2017: ESOL Construções apresenta proposta final que não contempla pauta dos trabalhadores

Com data-base em outubro, foi realizada nesta terça (05) reunião de negociação da Campanha Salarial entre o Sinergia CUT e representantes da ESOL Construções.

Mesmo após a insistência do Sindicato para que a empresa apresentasse uma proposta que contemplasse os anseios dos trabalhadores, os negociadores da apresentaram o que chamaram de proposta final, bem aquém da pauta de reivindicações. Confira:

1. Vigência: manutenção da vigência do Acordo na forma como registrada no sistema Mediador 2016/2018.

2. Piso Salarial: R$ 1.087,43

3. Reajuste dos Salários: 1,63%

4. Vale alimentação: R$ 379,08

5. Adicional de Dupla Função: R$ 132,79

6. Seguro de Vida: a empresa propõe alterar o limite salarial da clausula Seguro de vida para R$ 2.405,53, a partir da data de assinatura do ACT, ficando mantida a regra já existente.

7. Sistema Alternativo de controle de Jornada: A empresa propõe a implantação de sistema alternativo de Registro eletrônico de Ponto, como por exemplo a URA – unidade de registro auditivo – em substituição ao relógio de ponto REP, destinado a anotações por maio eletrônico da entrada e saída dos trabalhadores, conforme previsto na legislação.

10. Demais Cláusulas: manutenção das demais cláusulas do ACT 2016/2018

12. Demais itens da pauta dos Sindicatos: manifesta a impossibilidade de atender.

Assembleias na próxima semana
Além de não contemplar a maioria das reivindicações dos trabalhadores, a proposta de reajuste de salários e benefícios é praticamente inexistente, uma vez que a empresa apresentou o menor dos índices (IPCA), sem aumento real.

Neste sentido, o Sinergia CUT realizará assembleias deliberativas nos dias 11 e 12 (segunda e terça). Em caso de a proposta ser rejeitada e de a empresa não reabrir as negociações, os trabalhadores já deverão deliberar a implantação de um plano de luta que consiste em:

  • ½ dia em 18/12
  • 1 dia em 22/01

Participe! É… RESISTIR PARA CONQUISTAR!