CS 2017: Na CPFL, é hora de decisão!

Empresa apresenta proposta final com avanços. Assembleias ocorrem a partir desta segunda (10)

Após quatro rodadas de negociação, saiu a proposta final apresentada pela CPFL que foi amplamente negociada com o Sinergia CUT.
Bom lembrar que, no início do processo negocial, a proposta  do Grupo CPFL era de retirada de alguns itens importantes do ACT e sem reposição salarial. Após muito debate e insistência dos negociadores do Sindicato, na última reunião, ocorrida em 05 de julho, e que durou nove horas, saiu a proposta negociada.

A proposta

► Reajuste dos salários com o índice de 3,60%

► Manutenção do valor de R$ 1.789,98 do piso salarial definido no ACT 2016/2017, para os novos admitidos ao cargo de Eletricista de Distribuição Praticante

► Reajuste do vale alimentação e vale refeição com índice de 4,60%

► Reajuste dos demais itens econômicos constantes do Acordo Coletivo 2016/2017 com o percentual de 3,60%,

► Discussão de um novo modelo de PLR para 2017 em mesa separada neste mês de julho

► Manutenção das demais cláusulas do ACT vigente

► Ajuste do texto da Cláusula de Rescisões por Aposentadoria passando para a seguinte redação:
“O empregado aposentado ou que vier a se aposentar  na vigência do presente acordo coletivo que rescindir o seu contrato de trabalho, seja por iniciativa própria, seja por iniciativa da empresa, terão a sua rescisão de contrato de trabalho processada como dispensa sem justa causa, conforme condições previstas nos parágrafos seguintes:
Parágrafo primeiro: Ao empregado já aposentado pelo INSS, ou que vier a apresentar a qualquer momento a carta de concessão do INSS reconhecendo a sua posição de aposentado até o termino da vigência do presente Acordo Coletivo de Trabalho, fica garantido, independente se o desligamento da empresa ocorrer antes ou depois do dia 31 de maio de 2019, o pagamento das verbas rescisórias previstas na legislação vigente na data da assinatura deste Acordo Coletivo de Trabalho, inclusive a multa de 40% (quarenta por cento) sobre a totalidade do saldo para fins rescisórios de  FGTS relativo ao período  de contrato de trabalho com a CPFL e a indenização do aviso prévio, mesmo em caso de alteração na legislação trabalhista vigente.
Parágrafo segundo: Os empregados que tiverem concedida a aposentadoria após o termino de vigência do Presente Acordo Coletivo de Trabalho, e que vierem a pedir o desligamento da Empresa por iniciativa própria, não farão jus à conversão em despedida sem justa causa. Desta forma, fica estabelecido desde já que a presente cláusula será extinta após a vigência do presente Acordo Coletivo de trabalho, passando a ser valida a legislação vigente a partir de 01 de junho de 2019.”

► Vigência do ACT por dois anos (31/05/2019), garantindo, no mínimo, o reajuste pelo IPCA para data-base 2018.  Fica garantido também, a discussão para destinação de 50% da verba de movimentação de pessoal.

A posição do Sindicato
Mesmo diante das dificuldades devidas ao atual cenário econômico e político do país e também do setor, a proposta final apresenta avanços e garantias aos trabalhadores da CPFL.

A reposição da inflação pelo IPCA nos salários e benefícios, VA e VR com aumento diferenciado, a garantia de rescisão por aposentadoria na vigência do Acordo Coletivo prevendo dispensa sem justa causa e a manutenção dos demais itens do ACT vigente até 31/05/2019, significam um pouco mais de tranquilidade aos trabalhadores.

A decisão final é do trabalhador
Sendo assim, a direção do Sinergia CUT entende que a proposta é boa e, portanto, a encaminhará para a deliberação da categoria.

As assembleias ocorrerão a partir desta segunda (10). Participe! Até aqui, valeu resistir!

DETALHES…
Faz parte da proposta  do ACT a apresentação pela CPFL, até setembro deste ano, do novo Plano de Carreira para eletricistas.

Além disso, as discussões sobre a PLR 2017 serão iniciadas ainda neste mês de julho. Conforme as negociações forem avançando, o Sinergia CUT fará assembleias para que a proposta seja construída junto com os trabalhadores. Fique ligado!