CS 2017: Trabalhadores da IE Pinheiros realizam assembleias deliberativas a partir da próxima semana

Empresa apresentou o que chamou de “proposta final” na primeira rodada, que aconteceu na última quinta-feira (20) 

Como nos anos anteriores, o Grupo ISA Capital do Brasil realizou uma única rodada de negociação para discutir a pauta da Interligação Elétrica Pinheiros, logo após o encerramento da mesa de negociação da CTEEP.

Na abertura da mesa, na última quinta-feira (20), a empresa ressaltou a intenção dela em privilegiar a mesa para fechar uma proposta de equilíbrio entre a sua “nova realidade” e as reivindicações dos sindicatos representativos. Em seguida, apresentou o que chamou de Proposta Final:

➢ Vigência do Acordo Coletivo de Trabalho: 2 anos – 2017/19

➢ Reajuste de salários e benefícios: 3,60%

➢ Vale Alimentação/Vale Refeição/Cesta Básica: 4,60%

➢ Auxílio Creche:  nos mesmos moldes ISA CTEEP

➢ Gratificação de Férias: nos mesmos moldes ISA CTEEP

Manutenção das demais cláusulas do Acordo Coletivo de Trabalho

PLR 2017: será composta pelos valores, critérios, indicadores, pesos, metas e forma de distribuição conforme parâmetros:

Parcela Variável: 35% sobre a remuneração base do mês de dezembro/2016

Parcela Fixa: Valor de R$ 5.357,00

Adiantamento: R$ 4.000,00 a ser creditado em setembro/2017

O Sindicato reivindicou ainda a inclusão do pagamento de Função Acessória nos mesmos moldes da CTEEP. A empresa afirmou que apresentou a sua proposta final e que aguarda que os sindicatos a apresentem para os trabalhadores.

Avaliação do Sindicato

A proposta final apresenta a reposição da inflação com aumento real pelo ICV-Dieese (2,95% +0,63%) conforme pauta da categoria e não fica abaixo de nenhum outro indicador equiparando ao IPCA (3,6%), segundo o Sindicato. Quanto ao benefício de Alimentação, o Sinergia CUT avalia que supera a inflação do ICV-Dieese (2,07% +2,48%).

A equiparação de benefícios como a Gratificação de Férias e a inclusão do Auxílio Creche melhora e muito a renda do trabalhador, avaliam os dirigentes sindicais.

Para o Sindicato, “a prorrogação do Acordo Coletivo de Trabalho por dois anos neste cenário golpista conforta as futuras lutas na resistência da retirada de direitos da classe trabalhadora com muita ousadia do Sindicato, alicerçada pela capacidade de mobilização da classe trabalhadora”.

Por tudo isto, a Direção do Sindicato encaminhará a proposta final pela aprovação nas assembleias da base.

 

Resistir para conquistar