SINERGIA, LIBERDADE E OUSADIA! SOMOS FORTES, SOMOS CUT!

Congresso comemorou os 20 anos de história do Sinergia CUT e definiu estratégias para o fortalecimento da organização sindical diante do golpe e retirada de direitos pelo governo ilegítimo

Cerca de 200 delegados e delegadas eleitos em assembleias e plenárias regionais realizados em todo estado de São Paulo participaram do 5º Congresso do Sinergia CUT, que aconteceu entre os dias 30 de novembro e 02 de dezembro, na Colônia de Férias em Praia Grande. A diversidade marcou o evento, pois 23,52% do total de delegados eram negros e 13,23% eram mulheres.

Além de definir estratégias para o enfrentamento do desmonte do Estado e o fortalecimento da organização sindical, o Congresso teve como mote “Resistência e Ousadia” diante da grave crise política, econômica e institucional que toma conta do Brasil em tempos de golpe e da retirada de direitos pelo governo ilegítimo de Michel Temer (PMDB).

O Congresso marcou os vinte anos de fundação do Sinergia CUT, projeto que unificou a luta de eletricitários e gasistas do estado de São Paulo em uma assembleia histórica realizada em 16 de novembro de 1997, com a aprovação de mais de mil trabalhadores energéticos paulistas. Durante esse tempo, o Sinergia CUT ficou conhecido como exemplo de liberdade e autonomia sindical na prática.

“Com a mesma ousadia que caminhamos nos últimos vinte anos, voltamos a nos reunir, dirigentes da ativa e aposentados, junto com a militância de base, em um momento único da história do Brasil, com o governo golpista impondo um período de grandes incertezas e dificuldades para a classe trabalhadora”, conta a direção da entidade.

Desafios

Em tempos de golpe, a categoria também enfrenta as tentativas de retomada da privatização das últimas geradoras da Cesp pelo governo de Geraldo Alckmin e de todo o Sistema Eletrobras pelo governo ilegítimo, que ataca e desmonta também o setor elétrico nacional, ameaçando um setor estratégico ao desenvolvimento econômico e social do país.

“Nossa categoria já sofreu muito com a privatização de empresas públicas e as sucessivas trocas de controladores. Agora, estamos prestes a assistir a retomada da privataria, com graves ataques ao patrimônio público e à soberania nacional, momento que exige muita luta e resistência, além de reflexão para apontar soluções que garantam dignidade profissional e qualidade de vida para os trabalhadores e trabalhadoras”, alertam os dirigentes.

Programação

A programação do 5º Congresso do Sinergia CUT começou na tarde do dia 30, com o debate “Reestruturação e Privatização do Setor Energético – Impactos para o Desenvolvimento e a Soberania Nacional”.

A abertura oficial do Congresso aconteceu à noite, junto com a comemoração dos 20 anos do Sinergia CUT e a entrega do “Prêmio Resistência e Ousadia”, iniciativa para premiar talentos artísticos da base energética.

Na sexta-feira (01), a primeira atividade foi a inauguração do novo Auditório Resistência e Ousadia, na Colônia de Férias onde os debates aconteceram. Logo em seguida, delegados e delegadas debateram e aprovaram o Regimento Interno do Congresso.

Na sequência, a vice-presidenta da CUT, Carmen Foro, e o dirigente do MST (Movimento dos Sem Terra), Gilmar Mauro, participaram da mesa que debate “Conjuntura e Desafios da Classe Trabalhadora”.

O tema “Estrutura Sindical e Projeto Organizativo do Sinergia CUT” foi pauta da mesa seguinte, com a participação de Lucineide Varjão Soares (presidenta da CNQ e membro da Industrial), Sérgio Nobre (secretário geral da CUT), Francisca Trajano (presidenta da CNTRV e do macrossetor da Indústria da CUT) e Artur Henrique, eletricitário, ex-presidente da CUT e diretor da Fundação Perseu Abramo.

Grupos de Trabalho se reuniram na tarde da sexta. E à noite, porque ninguém é de ferro, rolou o Sarau com Energia.

O 5º Congresso do Sinergia CUT foi encerrado no sábado (2), depois da Plenária Final, que debateu e aprovou resoluções, plano de lutas e moções dos energéticos, atualizando as estratégias para resistir aos golpes e ao desmonte do setor, além de defender direitos e conquistas históricas. Foi nessa ocasião também que o Deputado Federal Vicentinho (Vicente Paulo da Silva) esteve presente e fez uma saudação aos participantes do Congresso.