A vitória da classe trabalhadora contra a reforma da Previdência

Com a pressão dos trabalhadores, presidente do Congresso Nacional suspende a tramitação da proposta de emenda à Constituição. Mas o fantasma ainda ronda. O momento é de luta!

No dia 19 de fevereiro o presidente do Congresso Nacional, Eunício Oliveira, suspendeu a tramitação de todas as propostas de emenda à Constituição (PEC) enquanto vigorar o decreto de intervenção federal na segurança pública do Rio de Janeiro, previsto até dezembro. A suspensão atinge mais de 190 propostas em andamento na Casa, entre elas a reforma da Previdência, que só pode ser feita por meio de uma PEC.

Para a direção da CUT, a decisão do presidente do Congresso é resultado da luta dos trabalhwadores, que fizeram o enfrentamento, deixando claro que a proposta de Temer não é reforma e, sim, um desmonte da Previdência pública.

Recado dado

Nesse mesmo dia 19, o Sinergia CUT participou das manifestações, caminhadas, greves e atos ocorridos em todo o país convocados pela CUT e demais centrais para lutar contra essa reforma. Inclusive, assembleias nos locais de trabalho foram realizadas envolvendo, assim, toda a categoria nessa batalha.

Mas a comemoração é momentâ-nea. “Quem está em guerra como nós estamos, tem de estar o tempo todo mobilizado para a luta”, disse o presidente da CUT, Vagner Freitas.