Lula sai nos braços do povo para cumprir decisão judicial

“Eu não estou escondido. Eu vou lá nas barbas deles, para eles saberem que eu não tenho medo, que eu não vou correr e eu vou provar a minha inocência”, disse o ex-presidente

Lula é um homem de fé e de religião. E a missa em homenagem à sua esposa, D. Marisa Letícia, na manhã deste sábado (7), minutos antes de anunciar que irá cumprir a decisão judicial, deixou expresso os valores e ideais que formam o homem, o nordestino, o retirante, o metalúrgico e ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

A celebração desta manhã foi marcada por falas pedindo paz, mas também resistência contra a injustiça do Poder Judiciário que condenou um inocente, por pedidos de liberdade para Lula, um preso político, como ressaltou em nota a executiva nacional da CUT.

Dom Angélico Sândalo disse que não se tratava de um ato político, mas de uma súplica pela paz, justiça, misericórdia e solidariedade. A ex-presidenta Dilma Rousseff também falou em paz e luta por justiça.

Já Lula, disse que a história mostrará que os culpados são os que o condenaram e que quanto mais dias ele ficar preso, mais Lulas nascerão no país inteiro, que ele vai cumprir a ordem judicial de cabeça erguida e sair de peito estufado porque vai provar a sua inocência.

Clamando pela paz, dom Angélico Sândalo disse que “a paz é o maior valor que nós podemos defender“.

“Estamos reunidos para expressar o amor fraterno. Temos a certeza absoluta que o amor fraterno vencerá o ódio”, disse, enquanto as pessoas se emocionavam com as orações e músicas escolhidas pelo próprio Lula para marcar este dia que entrará pra história do Brasil.

A ex-presidente Dilma Rousseff também falou na paz. Ao ler a oração de São Francisco de Assis, ressaltou que Lula sempre se inspirou nos valores de paz e justiça para fazer tudo o que fez pelo país.

“Essa é uma oração de paz, que hoje, mais do que nunca, mostra que nós somos da paz. Não somos nem da injustiça e nem do ódio”, ressaltou.

Nesse momento, as milhares de pessoas que acompanhavam o ato ecumênico, perceberam o que seria anunciado em instantes. Um dos padres presentes na celebração, amigo da família e que conheceu e conviveu com D. Marisa Letícia, registrou que “nenhuma prisão prende a mente e os ideiais de um cidadão”.

E assim mandou seu recado final ao Lula: “continue a entregar a sua vida na busca da paz e da justiça. Que Jesus o proteja e seja a sua força”.

Lula, sereno e tranquilo, olhou para o céu e sorriu. Sabia que era chegada a hora de anunciar sua decisão e falar pela primeira vez, desde o início da vigília na quinta-feira (5), com o povo, que não parava de demonstrar sua gratidão e reconhecimento à maior liderança política desse país.

No dia 7 de abril de 2018, exatos 38 anos após a sua prisão pelo regime militar por liderar uma greve em massa dos metalúrgicos do ABC, Lula, ao lado de amigos que nunca o abandonaram, no mesmo Sindicato que foi a sua escola e berço das lutas democráticas da década de 1970, anunciou que cumpriria a ordem judicial.

“Eu vou atender ao mandado deles porque eu quero fazer a transferência de responsabilidade. Eles acham que tudo o que acontece nesse país é por minha causa. E eles vão descobrir pela primeira vez o que tenho dito todo dia: o problema desse país não se chama Lula, mas a consciência do povo que tem as ideias de Lula plantada nas mentes e corações”, disse.

O ex-presidente lembrou aos que querem calá-lo para sempre que não tem como se prender ideais porque eles se multiplicam entre as pessoas que querem justiça e direitos.

“Minhas ideias estão pairando no ar, não há como prendê-las. Não adianta acharem que vão fazer com que eu pare, eu não pararei porque não sou mais um ser humano, eu sou uma ideia”, disse, ao ressaltar que há milhões de Lula dispostos a andar por ele neste país.

“A morte de um guerreiro não acaba com a revolução”

– Lula

Lula também falou sobre a condenação injusta porque não tem provas nem crime imposta pelo juiz Sérgio Moro e confirmada pelo Tribunal Regional da 4ª Região (TRF4), no caso do tríplex do Guarujá.

“Sou o único ser humano que sou processado por um apartamento que não é meu”, ressaltou, ao registrar que, ao contrário daqueles que o perseguem por convicções e não provas, ele dorme com a consciência tranquila.

Lula destacou que nunca foi contra a Lava Jato, mas que ele não pode aceitar que a Justiça condene com base na pressão feita pela Rede Globo, que tem mais de 70 horas de programação contrárias ao ex-presidente.

“Um juiz não pode condenar uma pessoa pela imprensa para depois julgar e condená-la judicialmente. Quem quiser votar com base na opinião pública, largue a toga e vá ser candidato a deputado”.

Ao contrário das acusações nunca provadas, Lula ressalta que seus crimes foram as oportunidades que seus governos proporcionaram a parcela mais pobre da sociedade, que nunca tinha tido a oportunidade de entrar numa universidade ou comer carne de primeira.

“Se for por esses crimes, de colocar pobre na universidade, fazer pobre viajar de avião, ter oportunidade a mais de uma refeição por dia e ter o sonho da casa própria, então eu vou continuar sendo criminoso nesse país, pois vou continuar fazendo muito mais”.

Lula encerrou sua mensagem para a militância com um poema que ele ouviu de uma menina de 10 anos, em 1972.

“Os poderosos podem matar uma, duas ou três rosas, mas jamais conseguirão deter a chegada da primavera. E a nossa busca é pela chegada da primavera”

– Lula

“Quero que saibam que sairei dessa maior, mais forte, mais verdadeiro e mais inocente”, disse, ao acrescentar: “esse pescoço aqui não baixa, a minha mãe já fez esse pescoço curto pra não baixar. Eu vou sair de lá de peito estufado e cabeça erguida”