RUMO À GREVE GERAL! Atos nesta terça (20) esquentam a greve do dia 30

Junho será o mês de resistência da classe trabalhadora. O “esquenta” será nesta terça (20), quando a CUT realiza o Dia Nacional de Mobilização rumo à Greve Geral

Uma grande mobilização organizada pela CUT e demais centrais sindicais ocorre nesta terça-feira (20), “Dia Nacional de Mobilização contra as reformas da Previdência e Trabalhista”. A data será “um esquenta” rumo à Greve Geral do dia 30 contra os projetos de reforma que atacam os direitos de toda a classe trabalhadora.

O Sinergia CUT considera fundamental a participação de todos os trabalhadores nessas mobilizações. “O Brasil passa por um dos piores momentos de sua história em período democrático. Em defesa dos direitos de todos os trabalhadores energéticos, estamos desde sempre engajados nessa luta”, afirma a direção do Sindicato.

O secretário-geral nacional da CUT, Sérgio Nobre, ressalta que, além da luta contra as reformas da Previdência e Trabalhista, a importância das mobilizações do dia 20 e 30 de junho é para recolocar o Brasil nos trilhos. “A mobilização dos trabalhadores definirá o rumo do País. Se Temer fica ou não à frente desse governo ilegítimo ou, se ele cair, teremos escolha democrática com participação do povo”, afirma.

FORA TEMER! DIRETAS JÁ!
A intenção é transformar junho num mês de resistência. A Greve Geral de 28 de abril passado foi importante porque parou o Brasil e mostrou para os deputados e senadores que os trabalhadores são contra as reformas da Previdência e Trabalhista. Mais de 40 milhões de pessoas aderiram à maior greve da história do país.

Apesar da imensa rejeição popular, a aprovação da Reforma Trabalhista, que pretende acabar com direitos, como por exemplo, férias, 13º e registro em carteira, avançou mais um pouco no último dia 6. Os senadores governistas que compõem a Comissão de Assuntos Econômicos (CAE) aprovaram por unanimidade a proposta da Reforma Trabalhista do relator Ricardo Ferraço (PSDB/ES).

“A única opção que resta aos trabalhadores é ocupar as ruas e parar as fábricas, escolas, escritórios, enfim, parar o país para obrigar os parlamentares a ouvir a voz do povo”, diz o presidente da CUT, Vagner Freitas.

“A greve geral é o instrumento que temos para pressionar os empresários que estão dando as cartas no Congresso Nacional. Os deputados e senadores que votam em acabar com férias, 13º e aposentadoria para transformar emprego em bico, votam a mando dos empresários que pagaram as eleições deles e pagam até hoje”, disse Vagner.

Agora o texto ( PLC 38/2017) passará pelas comissões de Assuntos Sociais (CAS) e de Constituição e Justiça (CCJ) antes de ir para o plenário no Senado. Segundo DIAP (Departamento Intersindical de Assessoria Parlamentar), o governo espera concluir a votação no Senado nas próximas semanas, para sancionar a lei ainda em junho.

Por tudo isso, só há uma maneira de enfrentar essas reformas é unificar a classe trabalhadora e parar o Brasil. “Nós temos capacidade de enfrentamento e luta. Vamos às ruas gritar Fora Temer, Diretas já e lutar contra as reformas que tanto prejudicarão a classe trabalhadora. Dia 20 é dia de mobilizar geral! Dia 30 é dia de parar! Cruze os braços na greve geral!”, conclama a direção do Sinergia CUT!