Saiu na Imprensa: Neoenergia incorpora Elektro e se torna maior distribuidora

Ao incorporar as operações da Elektro Redes S.A., a Neoenergia se tornará a maior distribuidora de energia do Brasil em termos de número de clientes e de base de ativos regulatórios (RAB, na sigla em inglês). Além disso, dará à Previ e ao Banco do Brasil uma oportunidade para sair da empresa, ou reduzir suas participações.

A nova companhia, conforme informação terá uma receita bruta agregada de € 7,93 bilhões (R$ 30,5 bilhões). No ano passado, a Neoenergia obteve R$ 22,2 bilhões; a Elektro, R$ 4,5 bilhões).

Os acionistas controladores da Neoenergia a espanhola Iberdrola, Previ e Banco do Brasil fecharam na quarta-feira à noite o contrato para que as operações da Elektro sejam incorporadas.

Atualmente, a Previ detém 49% do capital da Neoenergia; a Iberdrola, 39%; e o Banco do Brasil, 12%. Com a incorporação, o grupo espanhol (dono de 99,99% da Elektro) será titular de 52,45% do capital da empresa combinada, a Previ ficará com 38,21%; e o BBBI, por sua vez, vai deter 9,35%.

O Valor apurou que a operação está em linha com o objetivo dos agora sócios minoritários, de melhorar a condição de liquidez da companhia. Com a incorporação, a Neoenergia passará a ser o veículo exclusivo da Iberdrola no Brasil, ficando melhor posicionada para crescer ou fazer uma oferta pública inicial de ações (IPO).

O IPO, inclusive, era uma alternativa pensada para a Neoenergia antes mesmo da incorporação da Elektro. Segundo uma fonte próxima das negociações, os sócios agora esperam apenas por uma janela de mercado para fazer a operação, o que pode acontecer ainda neste ano.

O objetivo da Previ, porém, não é sair totalmente da Neoenergia, ao menos por enquanto. O Valor apurou que a fundação pretende continuar na empresa no longo prazo, avaliando o melhor momento para desinvestir no futuro.

A incorporação, que ainda está sujeita a aprovação pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) e pelo Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade), se dará por meio de um aumento de capital da Neoenergia, que será totalmente subscrito pela Iberdrola. A operação terá como contrapartida os ativos da Elektro.

Será assinado um novo acordo de acionistas. Caberá à Iberdrola indicar a nova diretoria da empresa, com exceção da diretoria financeira, que será da Previ e do Banco do Brasil. Nas próximas semanas, deve ter início o processo de integração entre as empresas e a composição da diretoria.

Segundo fontes de mercado, há grande chance de que o atual presidente da Elektro, Márcio Fernandes, seja nomeado presidente da “nova” Neoenergia. A atual presidente, Solange Ribeiro, foi indicada em conjunto pelos três sócios e está no cargo desde 2012.

Até a data do fechamento da operação, Neoenergia e Elektro seguirão sendo administradas separadamente. Também não houve nenhuma decisão sobre a sede da empresa, se será em Campinas (onde fica a Elektro) ou no Rio de Janeiro (sede da Neoenergia).