Elektro avança: aumento real e emprego

08 agosto 20:48 2005

A pressão da mobilização dos trabalhadores forçou a direção da Elektro a reabrir negociação. A sexta rodada aconteceu na manhã desta quarta (06), em Campinas, com a expectativa de avanços na proposta da empresa. A nova proposta negociada avança no econômico e prorroga o Acordo Coletivo até 2007 sem nenhuma mudança na cláusula de garantia de emprego.


A proposta econômica inclui agora aumento real. Além do reajuste de 7,71%, salários e benefícios teriam aumento real de 0,5%, totalizando 8,25%. Para três benefícios, o aumento real é de 2,13%, totalizando 10%. O Sinergia CUT também conseguiu arrancar na mesa a garantia de pagamento da PLR em 2005 e 2006.


A proposta – O reajuste de salários e benefícios seria de 7,71% (IPC-Fipe) mais 0,5% de aumento real, totalizando 8,25%. Exceção no auxílio-creche, cesta básica e auxílio-transferência que seriam reajustados em 10%. O 13º salário teria antecipação da 1ª parcela em maio de 2006. A antecipação da PLR, com pagamento agora em julho, seria de R$ 660 mais 12% da remuneração. Em 60 dias seriam discutidos montante, distribuição e metas da PLR 2005 e, até dezembro, empresa e Sindicato discutiriam a PLR 2006.


A Elektro também reembolsaria a renovação da CNH (Carteira Nacional de Habilitação) da Classe C para os trabalhadores operacionais que não tenham se envolvido em acidentes e multas.


Uma verba de 1,2 % da folha de pagamento iria para aplicação em movimentação de pessoal (promoção e mérito). A Bolsa de Estudo seria concedida a mais 35 trabalhadores que estão na lista de espera. Empresa e Sindicato discutiriam os Enunciados do TST, com o pagamento correto da periculosidade, reflexo da hora extra no DSR, registro do Plano de Cargos no Ministério do Trabalho e estabilidade Pré-Aposentadoria. O ACT seria prorrogado ACT até 31/05/2007.
Os Representantes Sindicais seriam reduzidos de 36 para 21, sendo 15 para o Sinergia CUT, 2 para sindicato de São Paulo, 2 para o sindicato de Itanhaém e 2 para os Engenheiros.


A empresa informou que o quinzenal de julho será de 40% da remuneração e, excepcionalmente, o pagamento do final do mês será feito com um dia de antecedência para possibilitar a transferência entre contas.


Para a Elektro, essa é a proposta final da negociação. Para o Sinergia CUT é o limite da mesa, com vantagens econômicas e com a tranqüilidade do emprego pelos próximos dois anos.
Para esclarecer detalhes da proposta, o Sindicato faz assembléias informativas nesta quinta (07) e sexta (08). Participe! A decisão é dos trabalhadores.

  Categorias: