Duke Energy: novas diretrizes?

26 agosto 17:26 2005

O Sinergia CUT participou na terça (23) de Assembléia Geral de Acionistas da Duke Energy. Na oportunidade, foram discutidas  a eleição de representante para o Conselho de Administração e o pagamento de dividendos aos acionistas no valor global de R$ 47,5 milhões. Outro tema foi o pedido de capitalização na empresa, cujo total é de R$ 2 bilhões.

O Sinergia CUT questionou a distribuição integral dos lucros da empresa no primeiro semestre sem realizar a reserva para investimentos. O diretor financeiro da empresa esclareceu que, conforme conta 1.01.01 e 1.01.92, as disponibilidades financeiras somam R$ 282 milhões.

Os investimentos previstos no orçamento vêm desses recursos. Sobre o item 3 da pauta da reunião (aumento de capital),  Sinergia CUT questionou que a Duke Energy emprestou R$ 1,239 bilhão para adquirir a Paranapanema, em julho de 1999, o que correspondia na época a US$ 691 milhões. Se fosse feita a atualização para o câmbio atual, esse valor seria de R$ 1, 680 bilhão.

Como a Duke Energy pede um aumento de capital maior do que aquele pago pela empresa? O diretor financeiro esclareceu que na época da aquisição da Paranapanema, a Duke Energy contraiu dívidas de R$ 1,193 bilhão. E até hoje a Duke não procedeu nenhum aumento de capital e essa operação estava legalizada. A pauta foi aprovada por unanimidade.

No mesmo local, o Sinergia CUT agendou reunião com o presidente da Duke Energy e do Conselho de Administração, Michey John Peters, para esta segunda (29), às 13h30. O assunto em foco será a proposta final de ACT enviada por e-mail ao Sindicato, que continua defendendo relações democráticas.

  Categorias: