Dia dos Aposentados: CUT protesta e lança Campanha Nacional

25 janeiro 18:59 2006


No Dia do Aposentado, comemorado nesta terça-feira (24), o Sindicato Nacional dos Aposentados e Pensionistas da CUT (Sintap-CUT) e diversos sindicatos cutistas participaram de manifestação em São Paulo. A passeata começou pela manhã, com concentração às 9h, no Ministério da Previdência, no bairro Santa Efigênia, de onde os manifestantes seguiram até a quadra do Sindicato dos Bancários de São Paulo, onde aconteceu um ato político e apresentações artísticas.


Essa é quinta Marcha promovida pelos aposentados ligados à Central e contou com a presença de dirigentes do Sinergia CUT. A mobilização marca o início da primeira Campanha Salarial Nacional dos Aposentados. Participaram também trabalhadores e dirigentes sindicais de outras categorias.


As principais reivindicações são: a recuperação do poder de compra das aposentadorias, maior fiscalização para assegurar o pleno cumprimento do Estatuto do Idoso, redução dos juros bancários e  estabelecimento de uma cesta de medicamentos e alimentos subsidiados.


A principal reivindicação dos aposentados representados pela CUT é que o reajuste de todas as aposentadorias e pensões em 2006 tenha o mesmo percentual do aumento do salário mínimo, anunciado oficialmente na mesma terça-feira para R$ 350 a partir de abril, aumento real de 13% acima da inflação.
 
Atualmente, nenhuma aposentadoria ou pensão pode ser inferior ao salário mínimo. Mas aquelas que ultrapassam o mínimo, por serem reajustadas por percentuais menores, com o tempo vão se aproximando do piso, ou seja, há um rebaixamento cada vez maior a partir do teto. ‘Quando começamos a organizar nosso ato, não imaginávamos que o reajuste do salário mínimo pudesse ser anunciado no Dia do Aposentado. Mas a coincidência das datas e o fato de nossa principal reivindicação estar ligada ao novo salário mínimo faz a manifestação ganhar mais força’, afirmou Epitácio Luiz Epaminondas, o Luizão, secretário nacional de Comunicação do Sintap.
 
A correção das aposentadorias e pensões não acompanha os reajustes do salário mínimo. Em 2005, por exemplo, o mínimo teve reajuste real de 7,87%, enquanto os valores recebidos pelos aposentados tiveram apenas a correção do INPC, de 6,36%.
 
A decisão de batizar as mobilizações deste ano como Campanha Salarial Nacional dos Aposentados não é apenas simbólica. ‘Os aposentados lutam para serem reconhecidos como categoria, e que seus vencimentos não sejam mais designados como benefício, que é sinônimo de favor, benevolência’, destacou Luizão. E completou: ‘Acima de tudo queremos ser ouvidos na elaboração de políticas públicas que atendam o nosso segmento, historicamente marginalizado no país’.

  Categorias: