Luz para Todos propricia renda a assentados

02 fevereiro 18:37 2006

Rio – Um grupo de famílias de assentados da reforma agrária de Santa Maria Madalena, no nordeste do Rio de Janeiro, vai aproveitar a energia elétrica que recebeu do programa Luz para Todos para gerar renda por meio da produção de farinha de mandioca e polvilho. A expectativa é fabricar mensalmente 10 toneladas de farinha de mandioca e uma tonelada de polvilho.


O dinheiro para a construção de um Centro Comunitário de Produção, de 100 metros quadrados, de onde sairão as mercadorias, e para a aquisição de equipamentos foi doado pela USAID (Agência dos Estados Unidos para o Desenvolvimento Internacional), através do PNUD Brasil. Os recursos somam R$ 120 mil e vão beneficiar as pessoas que concordaram em se dedicar à produção de farinha e polvilho — 34 das 72 famílias assentadas no local, chamado Fazenda Boa Vista.


A rede elétrica só chegou à comunidade há pouco mais de um ano, segundo Jonatan Ross, engenheiro civil da Divisão de Projetos Complementares do Luz Para Todos, ligada à Eletrobrás. Logo em seguida, um grupo de técnicos da empresa reuniu os moradores e tentou convence-los de que a energia elétrica não pode ser vista com um fim, mas como um meio para o desenvolvimento. ‘A eletricidade tem o poder de agregar valor à produção dessas pessoas. Usada de forma produtiva, ela pode gerar renda. Em vez de vender mandioca por um certo preço, eles processam em farinha e vendem por um preço maior’, destaca Ross.


Trinta e quatro famílias aceitaram o desafio e, com o apoio da prefeitura de Santa Maria Madalena, da concessionária de energia elétrica local, a AMPLA, e da EMATER-RJ (Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural do Rio de Janeiro), elas estão construindo o galpão de 100 metros quadrados.


A construção do Centro Comunitário de Produção começou em janeiro de 2006. Na sexta-feira, o local será visitado por duas coordenadoras do Programa de Energia da USAID, as norte-americanas Davida Wood e Patricia Flanagan. As duas vão também conhecer, nesta quinta-feira, outro projeto desse tipo, desenvolvido pela Eletrobrás na comunidade de Boa Esperança, município de São Fidélis, também no Rio de Janeiro. O Centro Comunitário de Produção dali já existe há dois anos, trabalha com o processamento de leite e atende 37 famílias.


 

  Categorias: