Consumo do brasileiro cresce mais que renda, classe C é destaque

16 março 18:43 2006

SÃO PAULO (Reuters) – O gasto médio das famílias brasileiras cresceu 9% em 2005 na comparação com o ano anterior, alimentado pelo aumento da renda real mas principalmente pelo endividamento da população.


A renda média domiciliar cresceu no ano passado em ritmo menor que os gastos – em 4%.
O retrato está em uma pesquisa especial elaborada pela LatinPanel -que acredita que ainda há espaço para os brasileiros se endividarem em 2006, ano em que os gastos com consumo tendem a avançar novamente, embora em ritmo menor.


‘O consumo está crescendo por endividamento maior, puxado pela classe C e pela Grande São Paulo’, afirmou a jornalistas na segunda-feira (13) Margareth Utimura, diretora da LatinPanel, empresa dos grupos Ibope, Taylor Nelson Sofres e NPD.


Na classe C, o gasto médio avançou 10%. Para sustentar o patamar de consumo, os lares dessa classe gastaram mensalmente 8% a mais do que ganharam, frente à média brasileira de 3% de endividamento. ‘Até quando se sustenta essa questão do endividamento? Acreditamos que ainda tem espaço em 2006… Até pelas perspectivas da economia é possível esperar um crescimento (do consumo) neste ano, mas não tão forte.’


A sondagem está baseada em uma cesta de 70 categorias dos segmentos de alimentos, bebidas, higiene pessoal e limpeza doméstica. A empresa constatou que, embora a renda da classe A/B seja 82% maior que a da C (com renda entre 4 e 10 salários mínimos), os gastos com bens não duráveis da classe A/B são apenas 40% mais altos.


Mais lazer, menos educação


A pesquisa apontou ainda que as famílias brasileiras gastaram mais com lazer do que com educação em 2005. Cerca de 5% dos gastos foram destinados à diversão, ante 2% para educação.
No item lazer, a maior parte dos gastos ficou com aluguel e compra de CD, DVD e vídeo game (28% do total). Também chama a atenção o gosto por jogos e apostas, hábito em cerca de 23% das famílias – com destaque para a classe A/B.


Os bens não duráveis levaram 25% da renda das famílias de todo o país (equivalente a 340 reais mensais), com destaque para alimentos. ‘Também apuramos que 85% dos lares não chegam ao final do mês com renda e 60% têm endividamento’, acrescentou Margareth.


A LatinPanel obteve as informações a partir de 8,2 mil entrevistas feitas semanalmente em todo o Brasil em 2005, em municípios com mais de 10 mil habitantes. A amostra cobre 91% do potencial de consumo do país. (Por Daniela Machado)

  Categorias: