Depois de dois meses de protestos, trabalhadores franceses fazem greve geral contra o CPE

28 março 14:22 2006

Dezenas de milhares de pessoas foram às ruas da França nesta terça-feira (28), dia de greves e protestos contra o Contrato de Primeiro Emprego (CPE).


Em toda o país, devem acontecer um total de 135 manifestações. Os sindicatos esperam que a ação force o premiê francês, Dominique de Villepin, a revogar a lei.


‘A luta anti-CPE já dura dois meses e passamos de um conflito clássico a uma crise profunda’, afirmou o secretário-geral da FO, Jean-Claude Mailly, alertando que o Governo conservador ‘jogará um jogo perigoso’ se apostar em uma ‘cisão da frente sindical’ ou em que ‘a situação apodreça’.


As organizações estudantis anti-CPE continuam mobilizadas, com dezenas de universidades e centenas de institutos sem aulas.


Uma pesquisa divulgada pelo jornal ‘Le Monde’ mostra que 63% dos franceses desaprovam a decisão do primeiro-ministro de manter o CPE, destinado às pessoas com menos de 26 anos e que permitirá que o empregador demita o jovem sem justificativa durante os dois primeiros anos de experiência.


Lei


A lei do primeiro emprego, aprovada pelo Parlamento no mês passado, pretende reduzir o desemprego entre os jovens, facilitando sua contratação. Mas uma cláusula, que permite ao empregador demitir sem justificativa ou indenização, desagrada os jovens.


Líderes de cinco confederações trabalhistas se reuniram com o premiê francês, Dominique de Villepin, na sexta-feira (24), mas o encontro terminou sem acordo.


A controvérsia ocorre antes das eleições no país, previstas para 2007. Pesquisas apontam que a popularidade de Villepin está em queda, e a oposição afirma que irá revogar a nova lei caso vença as eleições.

  Categorias: