‘Avançar na luta e derrotar o neoliberalismo’

11 maio 15:35 2006

O 11° Congresso da CUT/SP  foi aberto na noite de quarta (10) com o lema ‘Fortalecer a democracia, valorizar o trabalho, avançar na luta e derrotar o neoliberalismo em São Paulo’. Centenas de sindicalistas compareceram à cerimônia que reuniu lideranças partidárias e populares, deputados federais e estaduais, representantes da CGTB e da Força Sindical, e contou com a presença do senador Aloisio Mercadante, candidato do PT ao governo de São Paulo.


Emocionado, o plenário fez um minuto de silêncio em homenagem ao companheiro Anderson Luiz, presidente do Sintrafrios de São João do Meriti e diretor da Confederação Nacional dos Trabalhadores na Alimentação (Contac), assassinado no último dia 10, em frente à sua residência. O crime continua sem solução.


O presidente estadual da CUT-SP, Edilson de Paula Oliveira, iniciou seu pronunciamento lembrando da ação movida pelo PSDB contra um jornal de balanço do governo Alckmin, publicado pela entidade. ‘Estou orgulhoso, pois estamos deixando os tucanos muito nervosos por marcarmos posição em defesa da verdade e dos interesses da grande maioria do nosso povo. Denunciamos no nosso jornal as mazelas do desgoverno do PSDB e do PFL, a privatização do Estado, o aumento da violência, do desemprego e do abandono’, destacou.


Edilson ressaltou a importância da unidade para a realização do 1º de Maio vitorioso, ‘que reuniu dois milhões na Paulista em defesa da democracia, salário, emprego e direitos’ e frisou que ‘é com a verdade em nossa mente e com o compromisso com a classe trabalhadora, que vamos seguir em frente’.


‘A fase espetacular da luta’ foi saudada pelo presidente nacional da CUT, João Antonio Felicio, que sublinhou os inúmeros avanços obtidos pela mobilização unitária do sindicalismo brasileiro. ‘Enquanto nos oito anos de desgoverno FHC não tínhamos espaço de negociação, enquanto com Alckmin sequer fomos recebidos, conquistamos com o governo Lula o reconhecimento legal das centrais, um espaço de negociação coletiva por meio do Conselho Nacional das Relações de Trabalho e uma política de valorização do salário mínimo. A direita truculenta e preconceituosa quer voltar a dirigir o país, mas os trabalhadores estão afirmando neste Congresso que estão com Lula para continuar construindo um Brasil mais justo’, acrescentou.


Saudando o caráter ‘amplo e unitário do evento’, o vice-presidente da CGTB, Ubiraci Dantas de Oliveira (Bira), frisou que é este o espírito dos que querem continuar no caminho do desenvolvimento e aprofundar as mudanças. ‘Os inconformados, as viúvas de Fernando Henrique, estão tentando derrubar o presidente Lula pelo que ele representa para o povo brasileiro, para o Brasil e a unidade latino-americana. Nós não fazemos coro com a Veja, com o PSDB e o PFL, queremos um Brasil melhor, livre e soberano’, asseverou. Segundo Bira, a escolha do senador Aloisio Mercadante, ‘patrimônio de luta do nosso povo pela democracia, é uma excelente escolha para defenestrar tucano em São Paulo’.


Aclamado com o coro ‘São Paulo, avante, é Lula e Mercadante’, o candidato do PT ao governo paulista agradeceu a calorosa recepção, resgatando a importância da comunhão de forças para derrotar os candidatos do neoliberalismo no Estado e no país. Mercadante lembrou que assim como ‘o 1º de Maio da Paulista é uma referência fundamental de combatividade e unidade, o Congresso da CUT tem um sabor incrível de vitória’. ‘Temos dois projetos em disputa: ou vamos retomar o ajuste neoliberal do PSDB e do PFL ou vamos continuar mudando o Brasil. Sopram ventos de mudança em toda a América Latina, com Lula, Evo, Chávez, Kirchner, Tabaré e Bachelet. È um sentimento de integração contra a submissão aos grandes centros, onde precisamos trabalhar a unidade sempre numa relação de parceria’, declarou.


O CECUT-SP continua até sábado, quando além do plano de lutas será eleita a nova diretoria da entidade.


 

  Categorias: