Arce avalia que privatização da CESP deve ficar para o próximo governo

30 junho 17:46 2006

‘A CESP nunca saiu do Programa Estadual de Desestatização, mas a privatização dependerá do novo governador’. A afirmação é do secretário de Energia Mauro Arce e foi mais uma das declarações que chamaram a atenção dos jornalistas durante a entrevista coletiva concedida logo depois da venda da CTEEP para a estatal colombina ISA.


Apesar de tentar vender a CESP desde 1999, em duas tentativas fracassadas, Arce afirmou que a prioridade é reestruturar a dívida atualmente em torno dos R$ 10 bilhões. ‘Nosso objetivo é o saneamento financeiro da geradora até setembro, com início de um road show em julho’. Portanto, a eventual privatização ‘tende a ser conduzida pelo próximo governo’.


O secretário afirmou ainda que a CESP deve ficar com os recursos arrecadados com a entrega do controle acionário da CTEEP, já que a geração de caixa da geradora, de R$ 1,4 bilhão, é insuficiente para cobrir serviços da dívida em torno de R$ 3 bilhões. Nada declarou sobre os vários empréstimos recebidos pela CESP com o mesmo objetivo.  Informou também que os próximos passos envolvem ainda a capitalização de R$ 2 bilhões via mercado de ações, o lançamento de R$ 2 bilhões em debêntures não-conversíveis e ainda a criação de um fundo de recebíveis de R$ 650 milhões.

  Categorias: