CPFL Energia tem lucro recorde de R$ 1,4 bilhão em 2006

13 fevereiro 10:39 2007

O desempenho é 37,5% superior ao lucro de R$ 1,021 bilhão do ano anterior


A CPFL Energia registrou lucro líquido de R$ 1,404 bilhão em 2006, resultado 37,5% superior ao lucro de R$ 1,021 bilhão de 2005. O desempenho é o maior da história da companhia, segundo o presidente da companhia, Wilson Ferreira Jr. Mesmo excluindo os ganhos extraordinários, o resultado seria 25,5% superior ao de 2005. Foram R$ 41 milhões obtidos com a venda da participação de 3,93% na Comgás, mais R$ 81 milhões referentes à decisão judicial favorável sobre o recolhimento de PIS/Cofins, o que daria um lucro, sem esses efeitos extra, de R$ 1,282 bilhão.


Um dos fatores que influenciou positivamente o resultado do grupo em 2006 foi a aquisição da concessionária gaúcha RGE, na qual a CPFL detém 99,76% de participação. Incluindo a operação da RGE, as vendas totais de energia da holding, somando mercado livre e cativo, alcançaram 41,11 mil gigawatts-hora (GWh) em 2006, alta de 7,2% em relação aos 38,35 mil GWh apurados em 2005.


Sem o efeito da compra da RGE, o aumento das vendas seria menor, ficando em 4,4%. Já os resultados da distribuidora paulista Santa Cruz, adquirida em outubro de 2006, somente terão impacto a partir do primeiro trimestre de 2007. Isso porque a aquisição da empresa pelo grupo foi autorizada apenas em dezembro pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel).


A receita líquida da CPFL Energia totalizou R$ 8,91 bilhões em 2006, alta de 15,2% em relação aos R$ 7,73 bilhões de 2005. Influenciaram positivamente o resultado o aumento de 13,1% na receita de venda de energia, refletindo o aumento no volume de vendas e os reajustes tarifários das concessionárias.


Tiveram suas tarifas elevadas a CFPL Paulista, em 10,8%, a RGE em 10,2%, e CPFL Piratininga, em 1,5%, em outubro de 2005, mais 10,8%, em outubro de 2006.


Além disso, o grupo também contou com uma melhora de 46,4% na receita de Tusd, uma espécie de tarifa cobrada sobre o uso da rede de distribuição. Como aspecto negativo aparece o desconto de R$ 371 milhões do item ICMS e outras deduções.


No mercado livre, a comercialização cresceu 31,1% em 2006 ante 2005, totalizando 9,33 mil GWh, e 4,8% entre o quarto trimestre de 2006 e o quarto trimestre de 2005.


Apesar do crescimento de 29% na receita líquida do segmento de comercialização da CPFL, Ferreira Jr. pondera que as comercializadoras tiveram em 2006 o último ano de aumento expressivo em seus negócios. ‘A liquidez no mercado livre é menor. Alguns consumidores livres estão pensando em retornar para as distribuidoras’, explica.


Composição
A CPFL Energia é uma holding que controla empresas e empreendimentos privados nas áreas de geração, distribuição e comercialização de energia elétrica. É uma das maiores companhias privadas do setor elétrico brasileiro.
Entre os seus acionistas estão a VBC Energia S.A. (Bradespar, Grupo Camargo Corrêa e Grupo Votorantim), a 521 Participações S.A. (Previ – fundo de pensão dos funcionários do Banco do Brasil) e a Bonaire Participações S.A. (Funcesp, Sistel, Petros e Sabesprev). Desde a capitalização realizada em 2003, a companhia também conta com a participação em seu capital do BNDESPar, braço do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES). (Wellington Bahnemann)

  Categorias: