Horário de verão termina à zero hora de domingo (25)

26 fevereiro 09:13 2007

Quando os relógios marcarem zero hora deste domingo (25), deverão ser atrasados em uma hora, voltando para às 23h de sábado. Isso porque chega ao fim o Horário de Verão 2006/2007 nos estados que participam do horário especial: Rio Grande do Sul, Santa Catarina, Paraná, São Paulo, Rio de Janeiro, Espírito Santo, Minas Gerais, Goiás, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul e Distrito Federal. A previsão oficial é de uma redução de 4% a 5% na demanda do horário de ponta, aproximadamente de 2,1 mil MW.


O horário especial, que adiantou os relógios dos brasileiros em uma hora no dia 05 de novembro de 2006, acabará com duração de 112 dias, 13 a menos que a versão passada. A redução do período se deveu a uma solicitação da Justiça Eleitoral para que a entrada em vigor da medida fosse adiada devido à dificuldades de se ajustar os relógios das urnas eletrônicas nas eleições do ano passado.


Segundo a Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), a redução média de 4 a 5% no consumo de energia no horário de pico durante os meses do Horário de Verão gera outros benefícios ao setor elétrico e à sociedade em geral, decorrentes da economia de energia associada. Quando a demanda diminui, as empresas que operam o sistema conseguem prestar um serviço melhor ao consumidor, porque os troncos das linhas de transmissão ficam menos sobrecarregados. Para as hidrelétricas, a água conservada nos reservatórios poderá ser de grande valia no caso de uma estiagem futura. Para os consumidores em geral, na teoria, o óleo diesel ou combustível ou o carvão mineral que não precisou ser usado nas termelétricas evitará ajustes tarifários.


Economia comprovada


As distribuidoras começaram a divulgar os balanços com a economia e a redução da demanda conseguidas desde o dia 5 de novembro passado, quando o Horário de Verão entrou em vigor. A Elektro (SP), Cemig (MG), Celesc (SC) e RGE (RS) conseguiram atingir as metas esperadas de redução da demanda em cerca de 4%.


A Elektro constatou uma redução de 5,1% na demanda, equivalente a 102 MW, e uma diminuição de 0,55% no consumo, aproximadamente 19 GWh.



A distribuidora mineira observou uma redução de 3,8% na demanda máxima, correspondendo a 230 MW. A empresa espera uma redução total do consumo de energia de 0,6%, 32 MW médios.


A Celesc avalia que conseguiu uma redução de 5% na demanda no horário de ponta entre às 18 e 21 horas, correspondendo a 138 MW. O consumo caiu 34 GWh em Santa Catarina no período. A RGE estima a redução na demanda em 4,7%, equivalente a 64 MW. No caso do consumo de energia houve uma diminuição de 0,27%.


As economias conseguidas durante o Horário de Verão representam um alívio para os reservatórios e para o sistema de transmissão do país na época de maior consumo de energia. O horário especial, ao reduzir o carregamento do sistema, melhora as condições de suprimento, em termos de continuidade e qualidade, além de aumentar a segurança da operação do sistema.

  Categorias: