Intransigência da Potencial impera na mobilização dos trabalhadores

02 abril 13:55 2007

Em evidente prática anti-sindical, a Potencial impediu que os trabalhadores realizassem a mobilização de meio período, marcada para a manhã desta segunda-feira (02). Para tanto, logo no início da manifestação, a direção da empresa demonstrou sua truculência danificando materiais do Sindicato, como faixas e carro-de-som, intimidando os trabalhadores e coagindo-os a entrar para o trabalho.


Até mesmo a assembléia democrática e pacífica que ocorreria no portão de entrada da empresa foi autoritariamente impedida.


A atitude da empresa obriga o Sinergia CUT a tomar algumas medidas como, por exemplo, realizar denúncia no Tribunal Regional do Trabalho (TRT), da 15ª Região, em Campinas.


Além disso, é necessário aguardar o julgamento do dissídio, já que a primeira audiência está marcada para às 16h desta terça-feira (03), também no TRT, em Campinas.


Com licença, eu vou à luta!
Vale lembrar que a manifestação que deveria ocorrer nesta segunda (02) faz parte do Plano de Lutas aprovado pelos trabalhadores em assembléia.


Apesar de o Sinergia CUT ser uma entidade que prioriza a mesa de negociação para se chegar a um acordo com as empresas, nesse caso da Potencial a implementação do Plano de Lutas se fez necessária porque, depois de três rodadas de negociação e duas propostas rejeitadas, não houve possibilidade de acordo entre a empresa e os trabalhadores.

  Categorias: