PAC: petróleo, gás e biocombustíveis terão investimentos de R$ 171 bilhões

24 abril 18:26 2007

Os 183 projetos da Petrobras incluídos no Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) vão representar, até 2010, investimentos da ordem de R$ 171,7 bilhões. Para os quatro anos, a empresa pretende garantir a auto-suficiência brasileira em petróleo, acelerar a produção de gás natural, consolidar a liderança mundial na área de biocombustíveis, além de modernizar e ampliar o parque de refino.


Para atingir essas metas, o PAC engloba obras importantes, como a construção do Complexo Petroquímico do Rio de Janeiro, do gasoduto Sudeste-Nordeste e da refinaria Abreu e Lima, bem como a renovação da frota nacional de petroleiros.


Oferta de gás
Um dos projetos mais significativos é o que prevê o aumento da produção de gás natural. O Plano de Antecipação da Produção de Gás Natural (Plangás) envolve investimentos de R$ 25 bilhões para ampliar a oferta do produto dos atuais 26 milhões de metros cúbicos/dia para 55 milhões metros cúbicos/dia em 2010, reduzindo a dependência externa do gás. Para alcançar a meta de produção haverá, por exemplo, o desenvolvimento do Campo de Mexilhão, localizado na Bacia de Santos (SP), responsável pela oferta de 15 milhões de metros cúbicos de gás por dia. Serão investidos R$ 4,4 bilhões no campo, que entrará em operação em 2009.


Para ampliar a rede de gasodutos, a Petrobras vai aplicar R$ 12,5 bilhões dentro do PAC. Há quatro projetos principais, como o gasoduto Urucu-Coari-Manaus, com 662 km de extensão (que vai escoar para a capital do Amazonas o gás produzido em Urucu, na Bacia do Solimões – AM) e o gasoduto Sudeste-Nordeste (que vai interligar as redes de gás das duas regiões).


Auto-suficiência
Para preservar a auto-suficiência brasileira em petróleo, o Programa de Aceleração do Crescimento prevê investimentos de R$ 81 bilhões em projetos de aumento da produção e descoberta de novos reservatórios do óleo combustível e de gás. Os principais projetos estão localizados na plataforma continental, onde serão instaladas, até 2011, quase 20 novos sistemas de produção. Ali estão previstas plataformas de grande porte que vão elevar a produção dos atuais 1,8 milhão barris/dia para cerca de 2,4 milhões de barris diários em 2011, garantindo a continuidade da auto-suficiência. O índice de nacionalização das plataformas será de 70%.


Abastecimento
Para modernizar o parque de refino, a Petrobras vai realizar obras de ampliação em todas as suas refinarias, com o objetivo de aumentar o volume de petróleo nacional processado em 250 mil barris/dia (significa ampliar de 80% para 90% a carga processada) e elevar a oferta de derivados para o mercado brasileiro. Os investimentos vão também garantir a melhoria da qualidade dos combustíveis, tornando-os mais limpos. No caso do diesel haverá redução de 86 mil toneladas/ano de poluentes.


Em Pernambuco será construída a Refinaria Abreu e Lima para processar 200 mil barris de petróleo pesado por dia, obra em associação com a PDVSA, estatal de petróleo da Venezuela. Os R$ 10 bilhões aplicados na instalação da refinaria incluem melhoria de infra-estrutura portuária na região, construção de linha de transmissão de energia elétrica, dutos para escoamento de petróleo e derivados, entre outros.


Na atividade de transporte, além das redes de dutos, serão construídos 42 navios petroleiros, todos em estaleiros nacionais, com entrega de 15 embarcações prevista para até 2010. A renovação da frota contará com R$ 4,1 bilhões.


No desenvolvimento de alternativas energéticas renováveis serão aplicados R$ 720 milhões, envolvendo a construção de usinas de biodiesel e a implantação em quatro refinarias do processo HBIO, inédito no mundo, para produção de óleo diesel com a mistura de petróleo e óleos vegetais. Somente para ampliar a capacidade de produção de biodiesel serão destinados R$ 570 milhões na construção das usinas de Candeias (BA), Montes Claros (MG) e Quixadá (CE), cada uma com capacidade para 50 mil toneladas/ano. A previsão da Petrobras é disponibilizar 855 milhões de litros de biodiesel por ano, o que vai evitar a emissão de 2,3 milhões de toneladas anuais de gás carbônico na atmosfera.   


Complexo Petroquímico
O Complexo Petroquímico do Rio de Janeiro (Comperj) terá investimentos de R$ 21 bilhões (R$ 8,2 bilhões até 2010). O Comperj terá capacidade para processar 150 mil barris/dia de petróleo pesado quando entrar em operação em 2012. Será a primeira unidade petroquímica do mundo a utilizar, como matéria-prima, petróleo pesado. Serão construídos, também, empreendimentos petroquímicos em São Paulo, Minas Gerais e Pernambuco.


Os projetos da Petrobras no PAC:
– Aplicação de R$ 171,7 bilhões até 2010 em 183 projetos;
– Construção e aquisição de 42 petroleiros (com entrega prevista de 15 até 2010);
– Investimento de R$ 25 bilhões na ampliação da produção de gás natural aumentando de 26 milhões de metros cúbicos/dia para 55 milhões de metros cúbicos/dia em 2010;
– Processamento de 1,9 milhão de barris de petróleo/dia nas refinarias, dos quais 1,7 milhão de barris de produção nacional;
– Manutenção da auto-suficiência sustentável em petróleo e aumento das atividades de exploração e produção com investimentos de R$ 81 bilhões;
– Produção de 855 mil metros cúbicos/ano de biodiesel.

  Categorias: