CESP avança. Mas pode melhorar

17 julho 19:39 2007

Depois de adiar a penúltima rodada de negociação, a CESP cumpriu a promessa e apresentou uma nova proposta durante reunião com o Sinergia CUT na manhã desta terça-feira (17), em São Paulo. Os negociadores alegaram que essa é a proposta final da empresa, formulada depois de várias  consultas junto à Secretaria de Politica Salarial, vinculada ao gabinete do governador Serra.
 
No econômico a CESP propõe 4,67% de reajuste nos salários, Vale Alimentação e Vale Refeição de R$ 366,50,  Cesta Básica de R$ 113 e Auxilio Creche de R$ 330.
Na Função Acessória, a empresa forneceu uma tabela que estipula  valor de R$ 9,90 por dia e de R$ 198,20 por mês. Para a Gratificação de Férias, a  empresa propõe um fixo de R$ 1.334,40 mais 40% da diferença entre esse valor  e o salário do trabalhador.  A proposta prevê ainda 7% de reajuste no montante para Bolsa de Estudos, 2% da folha para o Planejamento de Pessoal e uma folha nominal para a PRR 2008.


Apesar de a vigência do Acordo continuar a ser de um ano, a CESP voltou atrás e propõe manter a cláusula de Gerenciamento de Pessoal sem mudanças. 


Pode melhorar
O Sinergia CUT afirmou que a nova proposta ainda está aquém das reivindicações dos trabalhadores e que ainda há espaço para  negociação. A nova proposta prejudica os trabalhadores principalmente na PRR, já que o montante cai de uma folha cheia para uma folha base, o que implica em redução significativa do benefício. O Sindicato argumentou também que é possível um aumento real maior principalmente nos benefícios e um Acordo Coletivo por três anos.


Diante disso, o Sinergia CUT reivindicou nova rodada de negociação. A empresa tem até a próxima sexta-feira (20) para dar uma resposta às entidades sindicais. Caso contrário,  os trabalhadores participam de mobilização de quatro horas em todos os locais de trabalho no próximo dia 25. Porque, com licença, já estamos na luta!

  Categorias: