IBGE confirma crescimento do PIB

12 setembro 14:48 2007

A economia brasileira manteve a trajetória de crescimento no segundo trimestre de 2007. Segundo o IBGE, o Produto Interno Bruto (PIB) cresceu 5,4% em relação ao mesmo período do ano passado. O resultado veio dentro das previsões do mercado financeiro e acima dos 4,4% registrados no primeiro trimestre. A última vez em que o PIB trimestral cresceu acima de 5% na comparação com o mesmo trimestre do ano anterior foi em 2004.

Quando o cálculo leva em conta o primeiro semestre, o percentual de crescimento é de 4,9%. Nos últimos 12 meses, o Produto Interno Bruto registra crescimento de 4,8%.
O PIB é medido pelo IBGE e reflete a soma de todas as riquezas produzidas por um país durante um determinado período. Entre abril e junho, essas riquezas somaram R$ 630,2 bilhões. No primeiro semestre, foram R$ 1,227 trilhão.

O IBGE também divulgou outras comparações que confirmam o bom resultado do PIB. Em relação aos três meses anteriores, a expansão da economia passou de 0,9% para 0,8% no segundo trimestre. No primeiro semestre (janeiro-junho), o crescimento acumulado foi de 4,9%. Nos últimos 12 meses, 4,8% (em relação aos quatro trimestres anteriores).

O consumo das famílias teve taxas positivas de 1,5% e 5,7% (15º crescimento consecutivo nessa comparação), respectivamente, nessas duas comparações.
O IBGE revisou os dados do primeiro trimestre deste ano. O crescimento em relação ao período imediatamente anterior passou de 0,8% para 0,9%. Na comparação anual, passou de 4,3% para 4,4%.

Os crescimentos apurados no PIB do segundo trimestre de 2007 (5,4%) e no primeiro semestre deste ano (4,9%), na comparação com iguais períodos do ano anterior, foram os maiores apurados pelo IBGE desde 2004. Naquele ano, o crescimento no segundo trimestre havia sido de 7,5% e no primeiro semestre, de 6,4%.

O coordenador de contas nacionais do IBGE, Roberto Olinto, disse que a principal diferença na conjuntura econômica entre os anos de 2004 e de 2007 é que, enquanto no primeiro o setor externo tinha uma influência positiva fundamental sobre o PIB, no segundo o principal impacto está sendo dado pelo mercado interno.

  Categorias: