PAC: balanço do governo mostra que obras de energia elétrica estão dentro do prazo

21 setembro 17:50 2007

Angra 3 ganha carimbo verde com retomada do projeto. As usinas do Madeira têm perspectiva positiva, apesar de indefinição sobre leilões


O segundo balanço do Programa de Aceleração do Crescimento divulgado nesta quinta-feira, 20 de setembro, mostra que o andamento das obras de infra-estrutura energética estão com ritmo adequado. O levantamento detectou 75,1% das obras com sinal verde e 17,9% com amarelo, ou seja, precisam de atenção. São consideradas preocupantes 7% que, por isso, receberam o sinal vermelho. Ao todo 531 ações estão sendo monitoradas pelo governo, contra 459 no primeiro balanço em abril.


O balanço contabilizou ainda 44% das obras em andamento, enquanto 56% encontravam-se ainda na fase de licenciamento, projeto ou licitação. Em relação à cronograma e riscos administrados, 77,8% estão verdes e 15,8% tem riscos potenciais. Com carimbo vermelho, estão 6,4% das ações com grave de risco de comprometimento do cronograma.


Na área de geração, os projetos estão, na maioria, com carimbo verde, o que significa que estão dentro do prazo. A grande novidade é a usina nuclear de Angra 3 (RJ-1350 MW), que não tinha classificação no primeiro balanço, e agora ganhou o selo verde. Isso devido aos avanços conseguidos, como a autorização para a retomada da obra. O governo contratou na última segunda-feira, 17, a consultoria internacional Colenco para fazer a avaliação dos custos empreendimentos.


O PAC tem como prazo para obtenção da licença prévia de Angra 3 até 10 de janeiro de 2008. Já a hidrelétrica de Belo Monte continua com carimbo amarelo. Os principais desafios do empreendimento são os termos de referência de Ibama e Funai, previstos, respectivamente, para até 7 e 30 de outubro. No caso do complexo do Rio Madeira (RO-6.494 MW), as usinas passaram de vermelho para verde.


No entanto, a perspectiva de licitação para Santo Antônio (RO-3.168 MW) está para até o fim de novembro, contra o calendário oficial de 30 de outubro. Jirau (RO-3.326 MW) deve ser leiloada até o fim de junho de 2008. A hidrelétrica de Estreito (TO-1.087 MW) passou de amarelo para verde com as obras em andamento, com 5% da meta concluída. O único projeto com carimbo vermelho é a usina de Pai Querê (SC/RS-292 MW), com previsão de LP para o fim do ano.


Transmissão – A área de transmissão vai muito bem na avaliação do segundo balanço do PAC. Somente a linha de transmissão Jauru-Vilhena, em 230 kV, tem carimbo amarelo. O empreendimento pertencente ao consórcio Cobra, Isolux e Elecnor depende da emissão de licença prévia por Ibama e a Secretaria de Meio Ambiente de Rondônia, prevista para até 31 de outubro. O Ministéro de Minas e Energia apresentará até o fim de novembro ainda um projeto de lei para regulamentar a transição de sistema isolado para o Interligado Nacional.


A linha Desterro-Palhoça, em 230 kV, da Eletrosul, passou a ter o carimbo verde, deixando para trás o vermelho. A obra conseguiu a autorização para supressão de vegetação do Ibama no último dia 12 de setembro. O orçamento da União já disponibilizou R$ 14,7 bilhões para o PAC, o equivalente a 54% do total previsto para este ano. Os recursos empenhados chegaram a R$ 6,708 bilhões e o valor efetivamente pago, a R$ 1,374 bilhão. (Alexandre Canazio)

  Categorias: