Criação de emprego formal bate recorde em setembro

16 outubro 09:43 2007

No mês, foram criados pouco mais de 251 mil postos com carteira assinada. No acumulado do ano, número supera 1,6 milhão.


O número de empregos criados com carteira assinada em setembro foi de 251.168, segundo dados divulgados pelo Ministério do Trabalho nesta segunda-feira (15). O dado é o melhor resultado registrado num mês de setembro desde que o Cadastro Geral de Empregados e Desempregado (Caged) foi criado, em 1992.


Nos primeiros nove meses do ano, foram criados 1.606.992 postos de trabalho, crescimento de 5,81%, na comparação com o registrado entre janeiro e setembro de 2006. O acumulado deste ano é o melhor desde 2004.


Naquele ano inteiro, houve o maior número de criação de empregos com carteira assinada. O ministro do Trabalho, Carlos Lupi, acredita que os dados de setembro demonstram que 2007 vai bater o recorde de empregos formais de 2004.


Lupi cita as obras contidas no Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) como fontes de estímulo para a economia e para a expansão de postos de trabalho. ‘A economia está sendo muito motivada pela estabilidade, pelos incentivos dados através do PAC. O período é bom para as indústrias. A expectativa é que seja o melhor Natal da história no comércio’, disse o ministro em entrevista a jornalistas.


Lupi aproveitou para fazer um apelo pela redução da taxa básica de juros para estimular ainda mais a formação de postos de trabalho. ‘Esses dados farão com que os nossos amigos do Banco Central pensem com muito carinho. Juros altos só favorecem quem especula. Quem gera emprego não ganha com juros altos’, disse o ministro.


‘Se eles puxarem o freio de mão, o carro capota. Deixa o carro andar e os juros, caírem’, completou o ministro do Trabalho, sobre a possibilidade de o Comitê de Política Monetária (Copom) do BC mantiver a taxa de juros em 11,25%, em reunião que começará nesta terça-feira (16) e terminará na quarta (17).


Setores
Os setores da atividade econômica que mais contribuíram para a formação de mais de 1,6 milhão de empregos nos nove meses deste ano foram serviços, indústria de formação, comércio, agropecuária e construção civil.


O setor de serviços foi responsável pela criação de 497.725 mil empregos, alta de 4,49% em relação ao período de janeiro a setembro do ano passado. (Tiago Pariz)

  Categorias: