CESP: Campanha Salarial Extraordinária

10 dezembro 10:17 2007

Assembléias para aprovação da Pauta de Reivindicações acontecem nesta  segunda (10) e terça (11). Participe!


Para garantir aos trabalhadores da CESP a tranqüilidade necessária diante da ameaça de privatização, o Sinergia CUT decidiu antecipar a Campanha Salarial 2008 e buscar negociação imediata para a celebração de um Acordo Coletivo por três anos.


Assim, o Sindicato realiza assembléias em todas as localidades da CESP nestas segunda (10) e terça (11) para debater com os trabalhadores  e  aprovar a Pauta de Reivindicações que deve ser entregue à direção da geradora e ao governo de SP ainda esta semana.


O objetivo principal da Campanha Salarial Extraordinária é reivindicar o ACT por três anos, conquista do Sinergia CUT em todas as empresas no período pré-privatização. ‘Os cespeanos não podem ser discriminados e ter um tratamento diferenciado dos trabalhadores das empresas que já foram privatizadas’, alerta Gentil Teixeira de Freitas, secretário geral do Sindicato.


Negociação e abaixo assinado
A reivindicação de Acordo por três anos já foi encaminhada formalmente à Secretaria de Energia e ao presidente da CESP em duas oportunidades. Primeiro, durante reunião no dia 30 de novembro passado, depois através da entrega do abaixo assinado de centenas de trabalhadores para reivindicar também que a direção das empresas não recorresse da decisão do  dissídio 2007 da CESP e da EMAE. Na última quinta (06), o Sindicato esteve reunido também com o secretário de Gestão Pública, Sidney Beraldo, para reivindicar a garantia do ACT por três anos, no caso de privatização.


Conforme já divulgado pelo Sindicato, o acórdão com a decisão do TRT (Tribunal Regional do Trabalho) da 2ª Região no julgamento do dissídio foi publicado no dia 28 de novembro. Reunidos em assembléias no último dia 03, os trabalhadores participaram de abaixo assinado para reivindicar que o governo de SP não recorresse ao TST (Tribunal Superior do Trabalho) e negociasse a vigência.


Recurso parcial e pagamento já
Mas o governo de SP decidiu recorrer parcialmente da decisão, questionando o montante da PRR (Política de Remuneração por Resultados) e o pagamento de 100% nas horas extras realizadas de segunda a segunda.


Apesar disso, as empresas acataram a reivindicação de pagamento dos 4,67% já e pagará todo o retroativo na próxima quinta (13), junto com a segunda parcela do 13° salário.


Recurso pelos três anos
O Sindicato também já recorreu ao TST para reivindicar Acordo Coletivo por três anos, pois a decisão do TRT foi de vigência de apenas um ano.


O Sinergia CUT começa agora mais uma batalha na luta para garantir um Acordo Coletivo justo aos trabalhadores da CESP e da EMAE. Sempre junto com os trabalhadores. Participe!

  Categorias: