CTEEP: maldade sem limites!

03 janeiro 12:09 2008

Independente da vontade expressa pelos trabalhadores, empresa anuncia a implantação da alteração da jornada a partir desta quinta (03)


Às vésperas das festas de final de ano, no dia 19 de dezembro, os trabalhadores da CTEEP foram surpreendidos por um comunicado, via transnet, enviado pelo Recursos Humanos da empresa informando que os trabalhadores da base territorial dos sindicatos de São Paulo, Ipauçu e Mococa teriam a indenização de R$ 10 mil devido à adesão ao primeiro termo aditivo do ACT 2007/2008. Vale lembrar que esse acordo alterou a jornada de trabalho (turno fixo de 6X8X3) e a nomenclatura dos operadores do sistema de potência. O calendário anunciado de pagamento foi o seguinte:



  • 21/12/2007 – R$ 4.000,00
  • 28/02/2008 – R$ 3.000,00
  • 29/04/2008 – R$ 3.000,00

Além disso, a empresa anunciou a incorporação do Adicional de Turno (7,5%) para os trabalhadores que o recebem atualmente e pagamento em 27/12/2007 do abono de 35% do salário nominal, para os demais trabalhadores que farão parte das novas atividades.


Desrespeito total!
Ainda segundo o comunicado da CTEEP, para o Sinergia CUT, que não aderiu à proposta da empresa, a escala de turno fixo também será implementada a partir desta quinta (03) e a indenização deverá ser paga da seguinte forma:



  • 07/01/2008 – R$ 4.000,00
  • 28/03/2008 – R$ 3.000,00
  • 29/05/2007 – R$ 3.000,00

A incorporação do adicional de turno será feita em rubrica à parte. Para os demais trabalhadores que farão parte das novas atividades haverá o pagamento em 30 de janeiro de um abono de 35% do salário nominal.


Trabalhadores já disseram NÃO!
Bom lembrar que, antes de findar o ano de 2007, o Sinergia CUT realizou assembléias em toda a base para deliberar sobre a proposta de alteração de jornada com pagamento de indenização feita pela empresa. A proposta foi rejeitada por unanimidade pelos trabalhadores que entenderam que a atitude da CTEEP tem o claro objetivo de reduzir ainda mais o quadro de pessoal, em curto e médio prazo. É uma medida impositiva e unilateral da transmissora ou, em outra hipótese, resultado de negociação com outras associações e ou sindicatos.


Diante disso, o Sindicato enviou carta para a empresa informando a posição dos trabalhadores e solicitando reunião para tratar do assunto. Além de não agendar a reunião, a empresa lançou tal comunicado informando a implantação da nova jornada.


Na Justiça
O Sinergia CUT entrou com ação judicial por descumprimento de Acordo Coletivo, já que consta do atual ACT a escala de revezamento atualmente praticada (6X7,5X4) para operador de subestação e operador de sistema de potência.

  Categorias: