Emae apresentará projeto básico de PCHs à Aneel em julho

25 fevereiro 11:39 2008

Usina de Guaxatuba deverá ter potência instalada de 12,2 MW, enquanto a de Pedra Azul, de 30 MW


A Emae vai apresentar o projeto básico das PCHs Pedra Azul e Guaxatuba à Agência Nacional de Energia Elétrica em julho. De acordo com o gerente do Departamento de Engenharia da empresa, Fernando José Moliterno, a usina de Guaxatuba deverá ter potência instalada de 12,2 MW, enquanto a de Pedra Azul, de 30 MW. Os dois empreendimentos ficarão localizados no Rio Tietê, em São Paulo.


Segundo Moliterno, a Emae realizou um inventário no Rio Tietê, que apontou as duas usinas como aproveitamentos hidrelétricos. Agora, a estatal abriu um edital para a contratação da empresa que fará o projeto básico dos empreendimentos. No entanto, o gerente explica que, como o inventário é público, outras empresas poderão se interessar pelas PCHs.


‘A Emae realizou o estudo, que ficará na Aneel para consulta pública. Ou seja, outra empresa pode ler o inventário e se interessar pela construção das usinas’, observou.


De acordo com Moliterno, caso haja outras empresas interessadas na construção dos empreendimentos, a Aneel irá escolher aquela que apresentar, entre outros fatores, o melhor projeto básico. ‘Até agora ainda não sabemos se há outras empresas interessadas no negócio, mas nós já vamos começar a fazer o projeto básico em março’, conta.


Os interessados em participar da licitação para a contratação da empresa que fará o projeto básico poderá enviar propostas entre zero hora do dia 28 de fevereiro e 9h30 do dia 29. Segundo Moliterno, a empresa que fizer o projeto básico também ficará responsável pelo projeto executivo, caso a Emae receba a aprovação da Aneel.


‘Nessa licitação, o contrato já prevê o projeto executivo. Então, a empresa vencedora também será responsável pela construção das PCHs, caso elas realmente fiquem sob a responsabilidade da Emae’, explica.


Ele conta ainda que não há previsão de investimento nas usinas, porque a quantia será mensurada durante a elaboração do projeto básico. Ainda segundo ele, após a apresentação do projeto básico, a Aneel tem até 18 meses para a aprovação do projeto. ‘Acredito que a Aneel deva aprovar o projeto entre oito e doze meses’, estima. (Carolina Medeiros)

  Categorias: