Novo salário mínimo é de R$ 415

03 março 14:14 2008

Ação do movimento sindical consolida reajuste real acumulado de 37% nos últimos anos, o maior em duas décadas


O salário mínimo passa a valer R$ 415 a partir da próxima segunda-feira, dia 3 de março. O governo federal vai enviar ao Congresso a medida provisória que estabelece o reajuste. R$ 415 é mais do que previam as consultorias ao longo da semana.


‘Se a CUT e o movimento sindical não tivessem, desde 2004, se empenhado para forçar reajustes maiores do que os previstos no Orçamento da União e mais altos do que queria a equipe econômica, certamente a notícia seria outra. Por isso, devemos encarar o novo valor como um avanço e uma prova de que a nossa organização e a nossa mobilização valem a pena’, avalia o presidente da CUT, Artur Henrique.


A CUT liderou as três Marchas Nacionais do Salário Mínimo entre 2004 e 2006, quando milhares de militantes foram a Brasília cobrar reajustes consistentes, naquela que chegou a ser chamada ‘a maior campanha salarial do mundo’. Em seguida às mobilizações, processos de negociação nas três oportunidades deram origem à política de valorização do salário, do qual o novo valor de R$ 415 é resultado.


Com o novo mínimo, o reajuste real (acima da inflação) acumulado desde 2004 chega a 37% O mais recente reajuste corresponde ao INPC dos 11 meses transcorridos entre abril de 2007 e fevereiro de 2008, somado à variação do PIB em 2006.


A política de valorização do salário mínimo, com a regra INPC + variação do PIB de dois anos anteriores, segue até 2011, quando está prevista a revisão do acordo através de novo processo de negociação. A cada ano, o reajuste será antecipado em um mês, chegando a janeiro, em 2010. ‘Mais um passo foi dado e devemos continuar lutando pelo salário mínimo necessário estimado pelo Dieese, de R$ 1.924,59’ conclui Artur Henrique.

  Categorias: