Grupo Rede lucra 42% menos em 2007. Mas, receita bruta e líquida e resultado operacional aumentam

04 março 10:16 2008

O lucro do Grupo Rede caiu 42%, passando de R$ 88,518 milhões em 2006 para R$ 51,454 milhões no ano passado. De acordo com a empresa, o lucro em 2007 foi menor em razão de um ganho extraordinário em 2006, não recorrente, no valor de R$ 152,1 milhões, referente ao resultado de equivalência patrimonial da Rede Lajeado, que detém 38,2% da Investco, empresa que exerce a atividade de geração por meio da UHE Lajeado (TO, 180,5 MW).


A receita bruta da companhia aumentou, atingindo R$ 5,179 bilhões no ano passado, ante os R$ 4,775 bilhões alcançados em 2006. A receita líquida também sofreu elevação, chegando a R$ 3,3 bilhões em 2007, contra os R$ 2,9 bilhões registrados no ano anterior, enquanto o resultado operacional passou de R$ 300,139 milhões em 2006 para R$ 383,748 milhões no ano passado.


O mercado consumidor do Grupo Rede apresentou um crescimento de 7,3%, passando de 13.081 GWh em 2006 para 14.038 GWh em 2007. De acordo com a empresa, na região Norte, o aumento se deve à retomada dos investimentos em agronegócio e mineração; ampliação do canteiro de obras de usinas no estado do Tocantins; e expansão das atividades de extração/fabricação de produtos minerais não-metálicos e produtos alimentícios.


No Centro-Oeste, destaca-se também a retomada dos investimentos em agronegócios, enquanto no Sudeste o aumento se deve à expansão da indústria alimentícia. A empresa destacou ainda que o aumento das vendas foi influenciado pelo crescimento populacional e pela implantação dos projetos ligados ao Programa Luz Para Todos.


As perdas da companhia aumentaram 0,6 pontos percentuais quando comparado os anos de 2006 e 2007. No entanto, segundo a empresa, o percentual é menor do que o incremento de perdas registrados entre 2005 e 2006, de 2,1%. No ano passado, o Grupo Rede investiu R$ 137,023 milhões em programas de combate às perdas técnicas e comerciais. O montante é 428% maior que os R$ 32,012 milhões aplicados em 2006.


Além disso, os investimentos das empresas controladas pelo Grupo Rede – Caiuá (SP), Empresa de Distribuição de Energia Elétrica Vale Paranapanema (SP), Empresa Elétrica Bragantina (SP e MG), Companhia Nacional de Energia Elétrica (SP), Celtins (TO), Companhia Força e Luz do Oeste (PR), Cemat (MT) e Celpa (PA) -, incluindo os programas de combate às perdas, totalizaram R$ 1,048 bilhão em 2007, ante os R$ 811,901 milhões alcançados no ano anterior.


Somente no Programa Luz Para Todos foram feitos aportes de R$ 501,7 milhões em 2007, contra os R$ 514,176 milhões registrados em 2006. Na ampliação e manutenção do sistema, foram investidos durante o ano R$ 283 milhões, valor superior aos R$ 244,334b milhões registrados em 2006. Nos programas sociais os investimentos também aumentaram, passando de R$ 10,268 milhões em 2006 para R$ 32,255  milhões no ano passado, assim como os investimentos na sub-rogação da Conta de Consumo de Combustíveis, que passou de R$ 11,111 milhões para R$ 94,040 milhões no período de comparação. (Carolina Medeiros)

  Categorias: