Mais uma vez governo Serra emperra pagamento aos aposentados da 4819

24 março 11:56 2008

Fechar a questão e definir o pagamento dos devidos 4,5% de reajuste aos aposentados da Lei 4819. Estas eram as expectativas do Sinergia CUT e da Associação dos Aposentados da Fundação CESP (AAFC) sobre a reunião na Procuradoria do Estado de São Paulo ocorrida na quarta-feira da semana passada, dia 19. Porém, por mais uma vez, a frustração e o sentimento de descaso do governo Serra para com os trabalhadores aposentados tomaram conta dos dirigentes do Sindicato e representantes da AAFC.


O procurador do Estado Mário Engler não compareceu à reunião previamente agendada e mandou em seu lugar uma representante. A justificativa para sua falta foi que estaria tomando providência com relação à privatização da CESP.


Mais uma vez o Sinergia CUT entregou nas mãos da Procuradoria o Acórdão do Dissídio Coletivo da CTEEP, publicado há dois meses pelo  TRT (Tribunal Regional do Trabalho) da 15ª Região. O Acórdão traz a decisão detalhada, referente ao ACT 2007 e que deixa explícito que Sindicato e empresa concordam com o reajuste de 4,5% e o pagamento do abono de R$ 300. Pela terceira vez, também foi entregue à Procuradoria a ata da audiência do Dissídio que deixa claro a não divergência entre o Sinergia CUT e a CTEEP sobre o pagamento dos 4,5% e do abono aos aposentados complementados.


Postura política
A representante do procurador recolheu os documentos apresentados e se comprometeu a dar um parecer o mais rápido possível sobre a questão. O fato ocorrido naquela reunião (não comparecimento do procurador, indecisão e enrolação) demonstra claramente a posição política da Procuradoria do Estado, que vem insistindo em prejudicar os trabalhadores aposentados da Lei 4819. Em outras palavras, para a direção do Sinergia CUT, ‘o governo Serra é o único empecilho para a realização do pagamento. Falta vontade política, consideração e respeito’.

  Categorias: