Trabalhadores protestam contra demissões na CPFL Santa Cruz

04 abril 17:03 2008

Ato organizado pelo Sinergia CUT acontece na manhã desta quarta (03) em frente à sede da empresa, em Piraju (SP)


O Sinergia CUT realiza na manhã desta quarta-feira (03) um ato de protesto contra as 78 demissões promovidas arbitrariamente pela CPFL Santa Cruz, em frente à sede da empresa em Piraju (SP). O objetivo do Sindicato é denunciar à população uma prática que vem sendo adotada em todas as empresas da CPFL Energia: ‘Para manter o lucro exorbitante, a holding aposta na redução de pessoal, precarizando as condições de trabalho e comprometendo a qualidade de vida dos trabalhadores’.


Os 78 trabalhadores foram demitidos sem aviso prévio pela distribuidora no dia 6 de março passado, no início do expediente, com a justificativa da necessidade de mais uma reestruturação. O Sindicato apurou que a empresa alegou que ‘muitos trabalhadores estavam fazendo os mesmos serviços’. Segundo um dos demitidos, também afirmou que ‘todos receberiam um incentivo de 0,2 a 4 salários como prêmio de consolação’.


Para a direção do Sinergia CUT, a arbitrariedade das 78 demissões é inadmissível: ‘Jogar dezenas de trabalhadores no olho da rua está se transformando no jeito CPFL Energia de ser. Recentemente também houve várias demissões na CPFL Paulista, onde o Acordo Coletivo impede demissões arbitrárias e obriga que o Sindicato seja informado previamente’. O Sindicato repudia essa prática ‘principalmente depois que o governo federal assinou a ratificação da Convenção 158 da OIT, que proíbe demissões sem justa causa’.


Enquanto isso, o lucro da CPFL Energia bate recordes anuais. Só no último trimestre de 2007, a receita líquida foi de R$ 2,6 bilhões e o lucro líquido de R$ 373 milhões. Durante todo o ano passado, a CPFL Energia obteve o lucro recorde de R$ 1,64 bilhão. ‘A população também é prejudicada porque sente na pele os aumentos abusivos das tarifas e a queda na qualidade dos serviços prestados’.


O Sindicato já está tomando todas as providências para denunciar a CPFL Energia por falta de responsabilidade social e pela prática sistemática de demissões injustas junto à Comissão de Trabalho e Emprego do Congresso Nacional, ao Ministério Público do Trabalho e à OIT (Organização Internacional do Trabalho).

  Categorias: