Nota oficial da CUT: ‘Faremos festa quando contribuição negocial for aprovada’

10 abril 18:07 2008

‘A CUT não participou da festa realizada na noite de ontem (9 de abril) para comemorar o reconhecimento legal das centrais sindicais por entender que, enquanto o imposto sindical não for substituído pela contribuição negocial, não há razão para festa.


A contribuição negocial não será obrigatória, mas aprovada em assembléia. As entidades terão de realizar ação sindical permanente, pois do contrário dificilmente conseguirão pleitear tal contribuição.


A CUT sempre foi contra o imposto sindical por acreditar que tal taxa protege sindicatos de fachada, garantindo sustentação financeira mesmo daqueles que não têm representatividade ou ação. Os sindicatos de trabalhadores devem ser fortes, bem estruturados e influentes, desde que calcados na defesa intransigente dos interesses da classe trabalhadora.


Coerentes com essa postura, enviamos carta aos deputados e deputadas federais, no dia 26 de março (veja nos arquivos anexos), reforçando a importância do reconhecimento das centrais e exortando-os a apoiar o projeto que vai acabar com o imposto sindical, a taxa assistencial e a contribuição confederativa, e que criará a contribuição negocial.


Conclamamos todos os parlamentares, especialmente aqueles que tentaram barrar o reconhecimento legal das centrais alegando serem contra o imposto, para lutar pelo projeto de extinção do imposto sindical que, em breve, deverá ser apreciado na Câmara e será, com certeza, mais um grande passo na consolidação de uma sociedade democrática, onde o direito, a democracia e a liberdade sejam os propulsores da igualdade e de melhores condições de trabalho e de vida para a classe trabalhadora brasileira.


Artur Henrique
Presidente nacional da CUT

  Categorias: