Privatização da Cesp está suspensa

19 maio 19:26 2008

De São Paulo


O processo de privatização da estatal paulista Cia. Energética de São Paulo (Cesp) está suspenso. A informação foi dada pelos principais executivos da geradora durante teleconferência realizada ontem pela manhã com analistas de mercado. Neste momento, não há novidades, afirma Vicente Okazaki, diretor-financeiro e de Relações com Investidores da companhia.


Controlada pelo governo paulista, a Cesp deveria ter mudado de mãos no último dia 26 de março, mas como nenhum dos grupos previamente qualificados depositou as garantias financeiras, o leilão foi cancelado.


O motivo da desistência de multinacionais como a franco-belga Suez e a portuguesa EDP, além das nacionais CPFL e Neoenergia, foi a incerteza quanto à renovação das concessões das usinas de Jupiá e Ilha Solteira, que juntas respondem por 67% da capacidade geradora da companhia. Pela regra atual do setor elétrico no país, as hidrelétricas não poderão renovar novamente suas concessões, que vencem em 2015, porque já usufruíram deste benefício uma vez.


Segundo Guilherme Toledo, presidente da Cesp, a idéia é iniciar em breve negociações com o governo federal para que as renovações de concessão tenham solução. E esse diálogo, de acordo com o executivo, deverá receber ajuda de algumas entidades de classe do setor. Afinal, o problema não atinge apenas a Cesp. Também engloba ativos das estatais mineira Cemig, da paranaense Copel, além das federais Furnas e Chesf. Em outras palavras, estima-se que 20% do parque gerador brasileiro tenha problemas com concessões. E a questão também afeta a concessão de 37 distribuidoras e de 73 mil quilômetros de linhas de transmissão de energia.


O fato é que a não-renovação das concessões de Jupiá e Ilha Solteira não prejudicou apenas o leilão de privatização da geradora. Também acabou corroendo toda a valorização do papel da Cesp, que subiu depois que o governo paulista sinalizou a intenção de vender esse ativo.


Segundo levantamento feito pelo Valor Data, no acumulado do ano até ontem, os papéis preferenciais da Cesp caíram 36,89% e ontem amargaram queda de 3,48%, encerrando o pregão a R$ 27,39. Com isso, encostaram em um dos seus menores valores, o de 16 de agosto de 2007, quando foram negociadas a R$ 26,50.


A Cesp vai investir R$ 90 milhões nas hidrelétricas de Ilha Solteira e Jupiá até 2010. E a meta é modernização e manutenção. (MC)

  Categorias: