CTEEP: proposta é o limite da negociação

10 junho 12:59 2008

Depois de ter rejeitada a proposta apresentada como ‘final’ na rodada do último dia 03, os negociadores da CTEEP marcaram a quinta reunião de negociação com o Sinergia CUT para a tarde da última segunda-feira (09), em São Paulo.


No início da rodada, a CTEEP apresentou uma proposta com apenas duas alterações: no índice de reajuste e no montante do abono. Os salários teriam reajuste total de 6,5% – o que representa aumento real de 1,03% pelo IPC da Fipe e de 1,48% pelo ICV do Dieese – mais abono fixo de R$ 450. 


Depois de um intervalo, Sinergia CUT e demais entidades avaliaram que era pouco, principalmente pelo índice de reajuste proposto pela empresa – 6,5%. O Sindicato apresentou  um argumento inquestionável: desde 2001 a CTEEP sempre reajustou salários e benefícios pelo IPC da Fipe, o menor dentre vários indicadores. 


Contraproposta
A seguir, a bancada dos trabalhadores apresentou mais uma contraproposta para avaliação da empresa: 7,4% de reajuste; montante da folha de dezembro para pagamento da PLR; antecipação da 1a parcela do 13° salário para janeiro; descongelamento do ATS em substituição a um percentual do valor destinado ao PCS, que pela proposta é de 2%; e apresentação de proposta concreta referente à Furpes, já que desde 1999 a empresa se apropria indevidamente desse recurso que é dos trabalhadores.


Limite da negociação
Muito debate depois, com novo intervalo para os negociadores da empresa, a rodada terminou no início da noite com a apresentação da proposta ‘final’ pelos representantes da empresa de transmissão.
A proposta final negociada com a CTEEP avançou no econômico, inclusive no reajuste de 6,8% e no abono (leia quadro acima), além de prever reuniões mensais de acompanhamento do novo ACT, o que garantiria a negociação de várias reivindicações dos trabalhadores.


Na primeira reunião de acompanhamento do Acordo, Sindicato e empresa definiriam a ordem de prioridade dos assuntos a serem discutidos: ATS e verba de planejamento, Furpes, revisão da tabela de participação da cesta básica e auxílio alimentação (inclusive os limitadores), revisão da cota de participação da AMH e do auxílio medicamento, remodelação do plano previdenciário e definição do quadro mínimo de pessoal.


A empresa também avançou no pagamento do abono, que agora representaria 16,67% sobre os salários de R$ 3 mil, 12,5% sobre os de R$ 4 mil, 11,11% para R$ 4,5 mil e 10% para os de R$ 5 mil. O pagamento tanto do reajuste como do abono seria feito logo depois da aprovação da proposta pelos trabalhadores.


Dissídio 2007
Para tentar solucionar os impasses do dissídio, o Sinergia CUT está agendando reunião específica com a direção da CTEEP. A finalidade é buscar um acordo pela via negocial, deixando para a Justiça apenas o que continuar em conflito.


Assembléias informativas
Durante esta semana, de terça (10) a sexta (13), o Sindicato realiza assembléias informativas para detalhar a proposta aos trabalhadores. Participe!


A última proposta da CTEEP
Depois de mais um intervalo de uma hora, para avaliação da empresa, os negociadores retornaram com a nova proposta ‘final’:
– 6,8% de reajuste
– Abono de R$ 500 (aumento de 51,52% em relação à proposta inicial que era de R$ 330)
– PRR 2009 com montante de duas folhas nominais de janeiro de 2009, ‘pois não há provisão
para isso na PLR 2008′
– Concorda em antecipar a 1a parcela do 13° salário para janeiro para todos
– Descongelamento do ATS deverá ser discutido na primeira reunião da Comissão de Acompanhamento do ACT 
–  Garantia de reuniões mensais para discussão de assuntos prioritários para os trabalhadores

  Categorias: