IBGE: desemprego pode fechar 2008 com queda recorde

26 junho 13:05 2008

O gerente da pesquisa mensal de emprego do IBGE, Cimar Azeredo, disse que a tendência é de novas quedas na taxa de desemprego, até dezembro de 2008, exceto se fatores externos venham a afetar o desempenho do mercado de trabalho. Como exemplo desses fatores, ele citou a inflação, a alta dos juros e as crises externas. ‘Juros e inflação podem comprometer um pouco esse processo, mas, exceto na renda, os efeitos demoram, não são imediatos’, afirmou.


Segundo ele, os resultados do mercado de trabalho em maio, com taxa de desemprego em 7,9% (a menor taxa para maio desde 2002), aumento no número de trabalhadores ocupados e queda no contingente de desocupados, ‘são extremamente positivos’. O gerente da pesquisa afirmou que o desempenho reflete o bom cenário econômico do País. ‘O ano de 2008 vem registrando indicadores positivos na economia e isso vem se refletindo no mercado de trabalho’, disse.


Azeredo ressaltou que este ano ‘uma inflexão significativa’ na taxa de desemprego ocorreu ‘mais cedo e com mais força’, já que no ano passado só houve queda na taxa em junho. Historicamente, a taxa de desemprego sobe de janeiro até o final do primeiro semestre, iniciando então um processo de queda até o final do ano. ‘A situação no mercado de trabalho em 2008 é favorável em relação aos últimos anos’, afirmou, acrescentando que ‘a taxa (de desemprego) tende a fechar o ano com novo recorde (de queda)’.


O recorde mensal entre as menores taxas de desemprego mensais apuradas pelo IBGE, até o momento, é dezembro de 2007, quando foi de 7,4%, a mais baixa da série iniciada em março de 2002. A taxa no mês de dezembro é sempre a menor apurada mensalmente a cada ano.

  Categorias: