Professores de SP decidem manter greve por mais uma semana

27 junho 17:45 2008

Os professores da rede estadual de São Paulo decidiram nesta sexta-feira (27) continuar a greve iniciada há duas semanas. A paralisação das aulas durará, no mínimo, mais uma semana. A próxima assembléia está agendada para a próxima sexta-feira (4).


A decisão foi votada por maioria em assembléia na Avenida Paulista. A manifestação bloqueou duas faixas da rua e causa 2,2 quilômetros de congestionamento, segundo a CET (Companhia de Engenharia de Tráfego). A categoria exige a revogação do decreto de lei 53.037/08.


De acordo com as novas regras, professores temporários serão submetidos a provas anuais para serem incluídos no quadro de substitutos, e os novos contratados terão de esperar três anos para poder mudar de escola.


A Secretaria de Educação de São Paulo alega que as medidas melhorarão a qualidade do ensino, diminuindo a rotatividade de professores e avaliando os professores temporários.


Para o sindicato, as medidas prejudicam os professores e podem causar pedidos de demissões. Quanto aos temporários, os professores pedem abertura de concurso para contratá-los levando em conta o tempo em que dão aulas.


Outra reivindicação dos docentes era elevação do piso salarial para R$ 2 mil – a Secretaria chegou a R$ 1.617,54, incluindo duas gratificações que foram incorporadas ao salário-base.


Nesta sexta-feira, o governo paulista convocou professores substitutos para cobrir os grevistas, ato considerado ilegal pelo Sindicato.

  Categorias: