CS 2008: Elektro propõe só 5,5%. Sindicato rejeita

08 julho 15:58 2008

Sinergia CUT reforça necessidade de aumento real e apresenta contraproposta da bancada dos trabalhadores


Reajuste nos salários de 5,5% e de 6% no auxílio alimentação e cesta básica. Foi só isso que os negociadores da Elektro propuseram aos diretores do Sinergia CUT durante a terceira rodada de negociação realizada na manhã desta terça-feira (08), na sede da distribuidora em Campinas. A proposta foi rejeitada por todas as entidades sindicais. 


Antes disso, no início da reunião, o diretor de RH, Carlos Alberto dos Santos, informou ao Sindicato que atenderá a reivindicação de antecipação quinzenal de 40% da remuneração dos trabalhadores, excepcionalmente neste mês de julho.


No econômico, a proposta anterior da empresa – apresentada no último dia 04 e também rejeitada pela bancada de trabalhadores – era de reajuste de 4,95%, índice da inflação medida pelo ICV do Dieese. Agora, o aumento real proposto para os salários é de apenas 0,52%. Diante da nova recusa, as entidades sindicais solicitaram um tempo para debater o impasse que a Elektro vem provocando ao insistir com propostas bem aquém da média do setor e que não consideram as reivindicações da categoria.      


Contraproposta dos trabalhadores
O Sinergia CUT reafirmou que quer negociar aumento real e todas as demais reivindicações dos trabalhadores que fazem parte da pauta e que incluem saúde, segurança e meio ambiente do trabalho, terceirização, entre outros pontos.


Depois, a bancada dos trabalhadores fez uma contraproposta aos negociadores da empresa:



  • 8% a mais nos salários e benefícios, a título de reajuste e aumento real (2,9% pelo ICV);

  • piso salarial com reajuste maior;

  • gratificação de férias com reajuste maior;

  • auxílio alimentação de R$ 500;

  • cesta básica de R$ 150 e com revisão da tabela de participação dos trabalhadores;

  • auxílio creche de um salário mínimo e extensivo aos pais;

  • bolsa de estudos: um representante por sindicato para acompanhamento da verba aplicada;

  • planejamento: prestação de contas ao Sindicato da verba aplicada para esse fim

  • descongelamento do ATS (Adicional por Tempo de Serviço);

  • reembolso de medicamentos em 100%.

Depois de novo intervalo, os negociadores da Elektro deram três respostas aos sindicatos: que a prestação de contas da bolsa de estudos seja feita nas reuniões periódicas de acompanhamento do Acordo Coletivo, concordando em entregar resumo dos valores aplicados em 2008; que está disposta a analisar a proposta de revisão da tabela de participação na cesta básica; e que não vai atender nenhuma das outras reivindicações.


Sem consenso, nova rodada foi marcada para a próxima quinta-feira (10), às 9h. A gente vale mais! 

  Categorias: