AES Tietê e Duke Energy não ganham prazo extra para construir novas usinas em SP

27 agosto 10:48 2008

Empresas teriam que adicionar 721 MW em capacidade no estado até o ano passado, mas não cumpriram o cronograma estabelecido na privatização


A diretoria da Agência Nacional de Energia Elétrica indeferiu nesta terça-feira, 26 de agosto, solicitiação para extensão do prazo para cumprimento de cláusula contratual sobre a expansão da oferta de energia no estado de São Paulo por parte de Duke Energy e AES Tietê. As empresas não conseguiram cumprir a exigência de adicionar mais 15% de capacidade instalada no período de oito anos após a assinatura do contrato de concessão, originado no processo de privatização paulista.


A AES Tietê, segundo o diretor-relator José Guilherme Senna, teria que adicionar 398 MW em novas usinas no estado, enquanto a Duke Energy deveria construir mais 323 MW, em um total de 721 MW. As empresas alegam falta de condições para construir nova capacidade no estado. A proposta era de uma prorrogação até 1º de dezembro de 2010 para expansão da capacidade das duas empresas.


Os diretores se basearam em parecer da procuradoria que afirma que não é de competência da Aneel interferir no caso, que seria restrito a uma discussão entre as empresas e o governo do estado. A votação teve placar de 4 votos a favor do indeferimento e um contra, do diretor-geral, Jerson Kelman. (Alexandre Canazio)

  Categorias: