CPFL Jaguariúna demite 90 trabalhadores em pouco mais de dois meses

19 novembro 11:39 2008

As primeiras 39 demissões ocorreram em agosto. No dia 03 de novembro, 51 profissionais foram para a rua. Sinergia CUT vai ao MPT


Apenas duas horas. Esse foi o tempo que a direção da CPFL Jaguariúna precisou para mandar para a rua 51 profissionais qualificados, de quatro localidades diferentes. As demissões, que atingiram leituristas e eletricistas, ocorreram no dia 03 de novembro nas CPFLs Sul Paulista (22 demitidos), Leste (18), Mococa (10) e Jaguari (um). A justificativa da empresa foi simplesmente que não precisava mais dos serviços prestados por esses trabalhadores.


E o contexto é capaz de piorar essa realidade. Em agosto passado, com a desculpa da reestruturação e alteração unilateral de escala (6x8x3), a CPFL Jaguariúna demitiu 39 profissionais. Ou seja, em pouco mais de dois meses, colocou na rua 90 pessoas.


Ironia
Ao mesmo tempo que demite, a empresa é capaz de oferecer aos demitidos contrato via empreiteiras, com salários bem menores (cerca de 40%). Clara demonstração de precarização do trabalho.


Por carta enviada à CPFL Jaguariúna, o Sinergia CUT repudiou as demissões e solicitou reunião urgente, o que ocorreu na última segunda (17) com o gerente de Recursos Humanos. O Sindicato alertou  sobre a responsabilidade solidária, prevista em ACT, e sobre as questões de saúde e segurança (NR 10). Também ressaltou que essa prática de não negociar com o Sindicato, de não se importar com a queda da qualidade  e com o atendimento à população,  visando sempre o lucro,  vem se consolidando como hábito da empresa.


A direção do Sinergia CUT  defende que qualquer empresa socialmente responsável não joga profissionais especializados na rua, sem garantir uma oportunidade de requalificação ou o compromisso de encaminhá-los junto ao mercado de trabalho em emprego digno. É o que o Sindicato  está cobrando da CPFL Jaguariúna. Agora buscando o Ministério Público do Trabalho.

  Categorias: