A Superintendência Regional do MTE de São Paulo visita CUT/SP

02 fevereiro 15:37 2009

Nesta quinta-feira 29, estiveram em visita a CUT/SP, a Superintendente da Superintendência Regional do Trabalho e Emprego no Estado em São Paulo, Sra. Lucíola Rodrigues Jaime ,o Superintendente Substituto Sr. Makoto Sato, acompanhados da equipe técnica formada por Ana Palmira Camargo, chefe da secção de fiscalização, e os auditores e fiscais do trabalho Sr. Noé Dias Azevedo e Eduardo H. do Nascimento.


Na oportunidade, reuniram-se com o presidente da CUT/SP, Sr. Sebastião Geraldo Cardozo, com o objetivo de fazer uma prestação de contas das ações realizadas, em 2008, pelo Ministério do Trabalho e Emprego através da Superintendência Regional de São Paulo e de solicitar trabalho em conjunto com a Central. Lucíola destacou a ‘criação de um modelo de gestão empresarial, reduzindo custos, eliminando gargalos, buscando resultados, priorizando ações coletivas, visando condições de trabalho dignas e saudáveis aos nossos trabalhadores’.


Dentre as inúmeras ações, estão as fiscalizações coletivas, indiretas, envolvendo centenas de empresas em conjunto com os sindicatos de trabalhadores das respectivas categorias, o combate à Terceirização Irregular e às fraudes do FGTS, a fiscalização em condomínios, em empresas do setor elétrico, do setor rural, do setor bancário, em metalúrgicas, em serrarias, na construção civil, entre outros. ‘Esclarecemos todas as dúvidas e concedemos prazos para o cumprimento da legislação’, afirmou.


A criação do Núcleo de Programas Sociais é outra realização em que programas sociais do governo federal e estadual como Economia Solidária, Sistema Público de Emprego Trabalho e Renda e Políticas para a Juventude são supervisionados pela Superintendência.


Ao final da exposição, o presidente da CUT/SP, Sebastião Geraldo Cardozo, destacou a importância da visita e a necessidade de desenvolver um trabalho de conscientização do empregador e do próprio dirigente sindical: ‘o trabalhador sempre entendeu que o Ministério do Trabalho é um agente fiscalizador e aplicador de punições que não dava resultado prático, principalmente em determinadas funções, onde a vida do trabalhador tem menos consideração do que a produção, pois a relação capital trabalho ainda é escravagista e socialmente injusta’, disse.

  Categorias: