CECUT começa com oficinas e realiza GTs temáticos

21 maio 13:21 2009

Uma série de oficinas marcou o primeiro dia do O CECUT – Congresso Estadual CUT , aberto no ultimo dia 20 em Serra Negra. Comunicação, Mulher, Igualdade Racial e Juventude, foram debatidos com o objetivo de preparar os participantes do CECUT para os grupos de trabalho temáticos que começam nesta quinta-feira (21) a definir estratégias, planos de luta e políticas permanentes dos temas gênero, LGBT, raça, juventude, saúde, pessoas com deficiência, formação, comunicação, política para o campo e relação da CUT com os movimentos sociais. 



Sueli Fátima de Oliveira, da Apeosp, foi público da oficina Mulher e avaliou a atividade como positiva ‘A discussão gerou justamente em torno da necessidade de termos muito mais mulheres na política. Nós, mulheres, temos que ser solidárias uma com as outras  porque vimos que no mercado de trabalho com a crise,  as mulheres  são as mais prejudicadas e a s primeiras a serem demitidas.’



A oficina de comunicação apresentou iniciativas de comunicação independente para os trabalhadores como a Rede Brasil Atual que congrega revista, rádio e internet, a experiência do ABCD Maior entre outros veículos apresentados pelos participantes, entre eles o Jornal dos Trabalhadores.



A Secretária Nacional de Comunicação da CUT, Rosane Bertotti, sublinhou a importância da mobilização para estabelecer a democratização dos meios de comunicação. ‘O governo Lula não conseguiu intervir na forma como distribui os anúncios estatais, na maneira como ocorrem as concessões e renovações de outorgas para emissoras de rádio e TV e não conseguirá se não tivermos capacidade de pressionar para que isso ocorra’.


Para Rosane, é preciso atuar na reestruturação da mídia e na construção de uma estrutura que dialogue com os trabalhadores. ‘Caso não consigamos estabelecer uma boa articulação, sairemos da Conferência Nacional de Comunicação sem propostas efetivas para defender’.



Mesa de Abertura



Na solenidade de abertura do CECUT, realizada a noite, o presidente nacional da CUT , Artur Henrique, explorou o tema do 12.º CECUT – ‘Um novo modelo de desenvolvimento para São Paulo’ – e defendeu a necessidade de estabelecer mecanismos que garantam a participação dos movimentos sociais no governo. ‘A participação da sociedade civil organizada deve ser uma política de Estado e não de governo. Isso também faz parte do debate sobre o desenvolvimento’.


O presidente destacou também ‘a importância de se construir a unidade entre as centrais sindicais para uma disputa hegemônica para se implantar de fato um modelo de desenvolvimento para o estado de São Paulo’.



Também falaram na abertura do CECUT:  Sebastião Cardozo (presidente da CUT/SP), Adi Lima (secretário geral da CUT/SP), Clemente Lúcio (coordenador do Dieese), Emídio de Souza (prefeito de Osasco), Arlindo Chinaglia (deputado federal), Vanderlei Siraque (deputado estadual – SP), Roberto Felício (deputado Estadual SP), Edilson de Paula (secretário de emprego e renda de Mauá), Francisco Chagas (vereador de São Paulo), Sônia Coelho (Marcha Mundial das Mulheres) e Danilo Pereira da Silva (presidente da Força Sindical de SP).  
 
 

  Categorias: