‘Nosso desafio é enfrentar o governador Serra’

27 maio 18:50 2009

Em entrevista ao Portal Mundo do Trabalho o metalúrgico Adi dos Santos, eleito o novo presidente da CUT São Paulo falou sobre suas expectativas e da responsabilidade de dirigir a entidade no próximo triênio. Acompanhe:


Portal – Como é ser eleito presidente na CUT/SP?


Adi – Para mim é um orgulho principalmente porque venho de uma trajetória de chão de fábrica, que é uma escola de negociação coletiva, de mobilização e organização sindical.  Acredito que essa experiência possa em muito me ajudar frente à presidência da CUT/SP.


É evidente que o Estado de São Paulo é diferenciado ele exige muita luta e resistência em função do modelo econômico vigente. Primeiro não há interlocutor e segundo não há reconhecimento dos movimentos sociais, o que dificulta muito o nosso trabalho.


Dentro desta realidade temos que nos preparar, nos capacitar cada vez mais. Para isso, foi eleita uma direção composta por todos os ramos da CUT no estado e que terá plenas condições de enfrentamento. Eu fui presidente da Federação dos Metalúrgicos e do Dieese (Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos), que é uma entidade nacional,  o que me dá condições de saber olhar para fora, inclusive da CUT, porque a relação não pode ser de mão única ela precisa conviver com as outras centrais sindicais, com os movimentos sociais. Dentro de todo esse contexto me sinto preparado para enfrentar todos os desafios que vem por ai.


Portal – O que será prioritário em sua gestão?


Adi – O desmonte do modelo econômico imposto por Serra. Nossa tarefa é debater com a sociedade sobre qual Estado que queremos, ou melhor, qual o modelo de educação, de saúde que queremos. A CUT tem por obrigação continuar mobilizando, organizando, mas acima de tudo propondo. Temos que apresentar um novo projeto de desenvolvimento para São Paulo.


Portal – Como ficará a questão da organização sindical?


Adi – Queremos cuidar dos 261 sindicatos filiados a CUT/SP e isso deve ser feito com base em uma política sindical. Existe um espaço de crescimento da CUT no estado de SP que nós vamos apostar, mas com qualidade e investimento na formação sindical.


Portal – E a comunicação?


Adi – Este é outro ponto a ser investido. Para nós, a comunicação é fundamental e precisa ser ampliada. Não adianta falarmos para nós mesmos precisamos melhorar o que temos na CUT/SP.


Pretendemos nessa ampliação dos mecanismos de comunicação estar ligado a CUT Nacional e com o movimento sindical como um todo, mas também queremos estar conectados com a sociedade. Para isso, precisamos modernizar os atuais mecanismos da CUT/SP.  Eu penso que tem muita coisa a ser feita e o time está ai para jogar, entramos em campo e os trabalhadores sairão vitoriosos.


Portal – Qual será o grande desafio?


Adi – Os desafios são muitos, mas pra mim o maior deles é enfrentar o governador Serra que é a grande doença do Estado de São Paulo que precisamos exterminar. Caso contrário, vamos ficar cada vez mais doentes até chegarmos à morte por falta de atendimento, por falta de qualidade de ensino tornando uma sociedade paulista sem credibilidade.  Exemplo disso foi a evasão da indústria, na década de 90, por falta de punho forte. Precisamos inverter essa lógica.


O avanço do agronegócio no interior de SP cresce sem olhar as condições de trabalho. Isso sem falar na saúde da mulher rural, que é algo muito sensível e não tem quem cuide porque o governador vem desmontando o SUS, que é responsável ou deveria ser, pela saúde da população.


Não dá para ver o Estado sendo desmontado da forma como vem ocorrendo. O patrimônio público está sendo entregue e a qualidade do serviço público se deteriorando por falta de investimento. E o pior, nós assistimos tudo isso como se não fosse conosco.


 

  Categorias: