MOBILIZAÇÃO GERAL NA CTEEP

15 junho 12:23 2009

Desde o início da manhã desta segunda (15), trabalhadores da CTEEP realizam protesto nos portões da empresa. Contra a proposta final de ACT e pela reabertura das negociãções!


Em assembleias realizadas na semana passada pelo Sinergia CUT, a companheirada da CTEEP decidiu  implementar o Plano de Luta Unificado, com mobilização de quatro horas a partir do início da manhã desta segunda (15).


Cruzaram os braços a totalidade dos trabalhadores de Presidente Prudente, Assis, Jupiá, Bauru, Araraquara, Ribeirão Preto, Itapetininga e Santos. Na sede da transmissora, em São Paulo, a mobilização foi prejudicada pela truculência da empresa, que chegou a acionar a polícia para pressionar os trabalhadores que participavam do movimento a entrar ao trabalho. Os trabalhadores de Santa Bárbara D´Oeste não paralisaram suas atividades e apenas participaram de uma assembleia, uma vez que outras duas localidades da mesma seccional (Cabreúva e Mococa), também não aderiram à mobilização.


Desde o início do processo negocial até agora, já foram sete rodadas e cinco propostas rejeitadas, sem possibilidade de acordo entre a empresa e os trabalhadores. Intransigência que já ultrapassou os limites.


Intransigência: poder para demitir
Vale lembrar que a última reunião do Sinergia CUT e demais sindicatos que negociam o ACT com a direção da CTEEP ocorreu no dia 04 passado quando, apesar de a empresa apresentar avanços na proposta  – como 6,2% de correção salarial e 8% de reajustes nos benefícios – os trabalhadores não se sentiram contemplados em suas principais reivindicações. Pelo contrário.


A cláusula de Política de Emprego da proposta da CTEEP prevê um quadro mínimo de 1.150 trabalhadores (o mesmo número de pessoas que havia na empresa em 31 de maio de 2006, ano da privatização) e uma rotatividade de 5%. Com isso, ela coloca no foco da demissão, além dos 5% do quadro mínimo proposto, cerca de 200 trabalhadores que entraram na empresa a partir de junho de 2006.


Incoerência: poder para dobrar de tamanho
Dona de uma receita de R$ 1,8 bilhão no ano passado, a Companhia que manipula as negociações salariais para tentar aprovar uma proposta que lhe dará poder para colocar na rua centenas de trabalhadores, é a mesma que apresenta um ousado plano para expandir agressivamente a CTEEP.


Em entrevistas concedidas à imprensa nacional na semana passada, o presidente da companhia, o colombiano Cézar Ramírez, disse que seu objetivo é fazer a CTEEP dobrar de tamanho até 2016. Vale dizer que, no ano passado, a ISA arrematou junto com Furnas parte importante do linhão do Madeira. Neste ano, entrou em quatro empreendimentos no primeiro leilão realizado pelo governo federal. E não bastasse se comprometer com novos projetos, a empresa ainda chegou a fazer uma proposta de compra pela Terna Participações, que acabou sendo adquirida pela Cemig.


MOBILIZAR PARA AVANÇAR!
Por tudo isso os trabalhadores da CTEEP devem manter a unidade e permanecer mobilizados. Pela reabertura das negociações rumo a um ACT digno e condizente com a realidade da empresa.

  Categorias: