Trabalhadores da Alternativa rejeitam proposta em assembleias

15 junho 18:09 2009

Insatisfeitos com a baixa remuneração, os trabalhadores da Alternativa decidiram rejeitar, nas assembleias realizadas nos locais de trabalho, a última proposta feita pela empresa. 


Agora realizam, no próximo dia 19, assembleias deliberativas para aprovar plano de lutas que prevêem paralisação por duas horas no dia 22, meio período no dia 29 e greve no dia 6 de julho, caso as reivindicações não sejam atendidas.  Como a remuneração na Alternativa é baixa, os trabalhadores não abrem mão de receber da ajuda de custo de despesa de viagem em dinheiro.


Confira a proposta rejeitada pelos trabalhadores:


Reajuste salarial: ICV-DIEESE – 5,78% mais aumento real 1,15%, totalizando 7%;



Gratificação por fraude: de R$ 7,50 para R$ 10 e agora para R$ 12, o que representa aumento de 60 %;



Hora-extra: Pagamento de hora-extra em 100% a partir da 2ª hora trabalhada;



Atualizar a cláusula 17ª: Transformando-a em incentivo ao estudo, ou seja, autorizando os trabalhadores que comprovarem matrículas em instituições de ensino a retornarem a sua base de origem;



Vigência do ACT: Vigência de um ano;



Refeição: Altera a forma de crédito, credenciando restaurantes nas localidades da sua atuação, exceto os casos em que não haja convênios ressarcindo em dinheiro após a apresentação de nota fiscal com prévia autorização da chefia. Será permitida também a refeição para as equipes nos restaurantes conveniados quando de atividades em suas localidades de origem. Atualmente a empresa reembolsa o trabalhador com o valor diário de R$ 12,50, porém, será mais exigente regrando a prestação de contas não aceitando mais notas rasuradas ou forma do mês respectivo;



Manutenção: Nas demais cláusulas do ACT.

  Categorias: