CTEEP continua intransigente

06 agosto 09:53 2009

Sindicato tenta negociar acordo para impedir demissões , mas empresa se recusa a aceitar proposta  de vigência da Política de Emprego por um ano. Nova mesa redonda é agendada


O Sindicato participou de uma mesa redonda, na última quarta (05), na Gerência Regional do Trabalho em Campinas para tentar encontrar uma solução para o impasse criado pela CTEEP ao não levar em consideração o resultado das assembleias deliberativas  do Sinergia CUT, que reprovaram a Política de Emprego proposta pela empresa.


De maneira intransigente, a empresa descartou qualquer possibilidade de conciliação, apresentando os ACTs assinados por quatro sindicatos (Sindicato dos Engenheiros, Sindicato de São Paulo, Sindicato de Ipaussu e Sindicato de Mococa).


Tentando invalidar a decisão dos trabalhadores nas assembleias realizas pelo Sinergia CUT, um dos representantes da CTEEP afirmou que a proposta foi rejeitada porque o Sindicato não havia submetido a mesma à avaliação dos trabalhadores, o que não é verdade. O Sindicato esclareceu que a proposta da empresa foi apresentada nas assembleias, no entanto, os trabalhadores rejeitaram a cláusula específica da política de emprego, preferindo a vigência por um ano, que evitaria a demissão de até 80 trabalhadores.


Com o objetivo de buscar uma solução negociada, o Sindicato propôs  que a vigência do acordo na Política de Emprego seja submetida à apreciação e deliberação em assembleias e que a decisão dos trabalhadores seja acatada pela empresa. Além disso, que a proposta de vigência de dois anos, que na prática significa a possibilidade da CTEEP demitir 50 trabalhadores no primeiro ano e 30 em 2010, seja levada às assembleias da base dos oito sindicatos.


O Sindicato também propôs que a empresa efetue o pagamento dos ativos, informando à Secretaria da Fazenda para que esta pague os aposentados e leve para dissídio apenas a cláusula de emprego.
No entanto, a CTEEP se recusou a atender ao pedido do Sindicato, reafirmando não ter intenção de conciliação. Diante de tamanha intransigência, o Sindicato solicitou nova mesa de conciliação, agendada para a sexta da semana que vem (14), dessa vez com a presença de todos os oito sindicatos, com o objetivo de apresentar todas as propostas feitas na mesa redonda. A intenção é esgotar a negociação direta e buscar uma solução para o impasse, preservando o emprego do maior número de trabalhadores possível.


Para o Sinergia CUT, a CTEEP não respeita a instância legítima de deliberação dos trabalhadores. A vigência do  acordo por dois anos é reflexo disso, pois interessa somente à empresa.


Caso a CTEEP continue intransigente, não restará outra saída ao Sindicato senão recorrer à Justiça para solucionar o problema e impedir o aumento das demissões. É sabido que o Sinergia CUT só tomará essa atitude junto com uma grande mobilização da categoria em todos os locais de trabalho.


Vale lembrar que, em caso de dissídio, existem três possibilidades que variam de acordo com a decisão judicial: 


o Manutenção do ACT vigente e reajuste definido pelo Tribunal (normalmente o INPC)
o Extensão do ACT que for assinado pelos outros sindicatos;
o Fazer um mix da proposta negociada na mesa com as reivindicações do Sindicato.


Agora, o Sindicato realiza assembleias informativas para esclarecer os trabalhadores sobre os rumos da Campanha Salarial 2009.

  Categorias: