CESP/EMAE: assembleias aprovam proposta

14 agosto 20:08 2009

Para evitar prejuízos trabalhadores aprovam 5,48% de reajuste salarial


Por maioria dos votos, os trabalhadores da CESP e da EMAE aprovaram em assembleias a proposta das empresas de Acordo Coletivo. Com isso, garantiram  5,48% de reajuste salarial, 5,11% nos benefícios, manutenção das demais cláusulas do ACT e vigência por um ano.
Essa ‘proposta final’ foi apresentada pela secretária de Saneamento e Energia, Dilma Seli Pena, durante uma reunião com os sindicatos no dia 30 de julho passado.



Para evitar mais prejuízos aos trabalhadores, a direção do Sinergia CUT analisou atentamente a proposta e fez simulações dos números.
Avaliou que, mesmo não tendo atingido o aumento real apresentado em outras empresas do setor elétrico, rejeitar a proposta e definir um plano de luta com greve, permitiria que a empresa entrasse com dissídio coletivo. E  esse seria o pior cenário  para os trabalhadores.
Isso porque o Tribunal concederia o índice do INPC-FIPE de 5,45% sobre salários e benefícios e o restante do acordo viria como uma sentença normativa até 31 de maio de 2010. Ficaria aberta a porta para que, na próxima Campanha Salarial, o governo Serra retirasse cláusulas do Acordo conquistadas ao longo de vários anos de luta, como o Gerenciamento de Pessoal.



Assim, nas assembleias, o Sindicato debateu com os trabalhadores a situação e encaminhou a proposta para deliberação. Com a aprovação da categoria, trabalhadores da CESP e EMAE poderão recompor a inflação nos benefícios e ter um aumento real de 0,34% nos salários.



Taxa negocial
Nas assembleias realizadas pelo Sinergia CUT nas localidades da CESP,    além da proposta, foi aprovado também o desconto de 5,48% referente à taxa negocial. Os trabalhadores terão entre os dias 01 e 10 de setembro próximo para a entrega da carta de oposição ao desconto. As cartas devem ser protocoladas das 8h30 às 12h e das 14h às 18h  na sede ou nas macrorregiões do Sinergia CUT.

  Categorias: