Pesquisa Dieese: Diminui a taxa de desemprego

26 novembro 18:32 2009

A taxa de desemprego para o conjunto de regiões que compõem o Sistema PED (Pesquisa de Emprego e Desemprego) ficou em 13,7%, em outubro, contra 14,4%, em setembro. Todas as regiões incluídas na pesquisa realizada  pelo convênio entre DIEESE e  Fundação Seade, com o apoio do Ministério do Trabalho e Emprego e parceria com instituições e governos regionais (Distrito Federal e  regiões metropolitanas de Belo Horizonte, Porto Alegre, Recife, Salvador e São Paulo) apresentaram redução na taxa de desemprego, um comportamento esperado para este período do ano. A taxa de desemprego do mês em análise ainda é 2,2% superior à de outubro passado, quando correspondia a 13,4%.


O total de desempregados nas regiões pesquisadas ficou em 2.756 mil pessoas, o que corresponde a 133 mil a menos em relação ao mês anterior. Em outubro, 91 mil pessoas incorporaram-se à força de trabalho, que passou a somar 20.141 mil indivíduos. Também a ocupação cresceu no período (1,3%), com a criação de 225 mil postos de trabalho. O total de ocupados chega, assim, a 17.386 mil pessoas.
 
Apesar do bom desempenho do mercado de trabalho no último mês, o conjunto de regiões pesquisadas reúne 74 mil pessoas desempregadas a mais do que em outubro de 2008 (2.682 mil). O total de ocupados, no entanto, também é superior ao de um ano atrás (17.330 mil).


O crescimento do nível de ocupação em outubro foi o maior registrado pela PED metropolitana para o período, com exceção de 2007, quando o incremento chegou a 1,4%. O principal destaque no mês foi o setor Serviços que contava com  9.523 mil ocupados, em outubro, período em que gerou o maior número de novos empregos no mês  – 141 mil – com um aumento de 1,5%.  A Construção Civil cresceu 1,3%, a Indústria e o Comércio, 1,2% cada. Em 12 meses, o maior incremento verificou-se na Construção Civil (142 mil postos e variação de 14,5%), setor que em outubro  empregava 1.123 mil pessoas. Já a Indústria – onde estavam trabalhando 2.499 mil pessoas – desativou 232 mil ocupações em um ano (-8,5%).


Se em setembro praticamente apenas o setor público havia aberto vagas,  em outubro 215 mil pessoas foram contratadas no setor privado, a maior parte delas (151 mil)  com carteira assinada. Em comparação com outubro do ano passado, porém, o mesmo setor privado desativou 123 mil ocupações, em especial postos com assalariados sem carteira assinada (-256 mil), enquanto foram contratados 133 mil com vínculo formal.


Em setembro, o rendimento médio real dos ocupados teve variação positiva de 0,6%,  correspondendo a R$ 1.243. O salário médio manteve-se inalterado no período, equivalendo a R$ 1.313. Entre setembro de 2008 e setembro último, também houve crescimento do rendimento médio (2,4%) e do salário médio (3,8%). 


Comportamento das regiões


Em outubro, todas as regiões metropolitanas pesquisadas apresentaram redução na taxa de desemprego. Na  Região Metropolitana de Porto Alegre, a diminuição da taxa de desemprego foi de 8,0%, que assim ficou  em 10,4%. Em relação a outubro do ano passado, o recuo foi de 1,9%  e o total de desempregados foi estimado em 209 mil pessoas. Em Fortaleza a taxa de desemprego fixou-se em 10,0%, com uma queda de 7,4% em relação ao mês anterior. O total de desempregados é estimado em 175 mil. Não exitem dados comparativos com o ano passado. 


Também foi intensa (de -6,4%) a redução na taxa de desemprego na Grande São Paulo, que assim correspondeu a 13,2%,  ou seja, 1.398 mil desempregados. Em comparação com outubro do ano passado, porém, a taxa de desemprego teve aumento de 5,6%. Na Região Metropolitana de Belo Horizonte – onde o total de desempregados foi calculado em 253 mil – a taxa de desemprego ficou em 10,0%, com um recuo de 3,8%, em relação ao mês anterior. Na comparação com um ano atrás verifica-se forte crescimento do desemprego (11,1%). 


A Região Metropolitana de Salvador registrou recuo de 3,6% na taxa de desemprego do mês e de 8,3%, em um ano. A taxa de desemprego correspondeu a 18,7%, em outubro, e o total de desempregados foi calculado em  345 mil pessoas. Na Região Metropolitana de Recife a taxa de desemprego – de 19,2% –  caiu 2,5% em relação ao mês anterior mas teve crescimento de 1,6% quando comparada há um ano. Em outubro, 341 mil pessoas estavam desempregadas em Recife. A menor redução na taxa de desemprego (-1,3%) ocorreu no Distrito Federal, onde 210 mil pessoas estavam desempregadas, o que corresponde a uma taxa de 15,1%. Em comparação com outubro de 2008, houve redução de 5,6%.


O nível de ocupação teve  variação positiva em todas as regiões pesquisadas. Para todas as regiões, porém, o destaque negativo em comparação com outubro do ano passado é a Indústria, com redução no emprego em praticamente todas as regiões. Em São Paulo, o aumento no nível de ocupação foi 1,8%, com o total de ocupados sendo estimado em 9.194 mil pessoas. Em comparação com outubro de 2008 houve relativa estabilidade no nível de ocupação (0,1%). A criação de postos na Indústria destacou-se em outubro, com variação de 2,4%. No entanto em relação a igual mês em 2008, houve recuo de 7,4%. Em Fortaleza, o nível de ocupação subiu 1,7%. Indústria e Construção Civil tiveram bom desempenho no mês e o total de ocupados ficou em 1.571 mil pessoas.


O nível de ocupação cresceu 1,6% no mês e 0,8%, em um ano, em Recife, onde 1.434 mil pessoas estão ocupadas. O destaque regional é a Construção Civil, com forte crescimento no mês (8,7%) e em um ano (42,6%).Salvador também registrou forte crescimento (1,4%) no mês, devido ao bom desempenho do Comércio. Em relação a outubro do ano passado, houve aumento de 1,3%. O total de ocupados chegou a 1.501 mil. No período anual, o destaque negativo foi a indústria que apresentou forte retração. 


Em Belo Horizonte, o nível de ocupação teve variação de 0,5%, com o total de ocupados ficando em 2.272 mil pessoas. Na relação anual, o desempenho é negativo (-0,8%). No mês, houve bom desempenho nos Serviços  e, no ano, na Construção Civil. O destaque negativo foi a queda da ocupação na Indústria em comparação com outubro do ano passado. 


O nível de ocupação ficou relativamente estável em outubro na Grande Porto Alegre (0,3%) mas teve queda em um ano (-0,6%). O total de ocupados na região soma 1.802 mil pessoas. Houve forte crescimento do emprego no Comércio, no mês, e intensa queda na ocupação na Indústria tanto no mês como em um ano. A relativa estabilidade também marcou o nível de ocupação no Distrito Federal no mês (0,2%), mas a região registrou forte crescimento em um ano (4,2%). O total de ocupados chegou a 1.183 mil pessoas. As variações nos setores foram relativamente pequenas tanto no mês quanto em um ano. Apenas na variação anual houve forte crescimento em 12 meses no emprego na Construção Civil.


O comportamento do nível de rendimento médio real do conjunto de ocupados foi diferenciado nas várias regiões. Em Recife, foi apurado aumento de 3,7%, com seu valor alcançando R$ 751.  Na comparação com setembro de 2008, foi apurada redução de 0,4%. Também houve crescimento, no mês (2,5%) e em um ano (5,9%), em Belo Horizonte, onde a média ficou em  em R$ 1.253. O rendimento médio real ficou em R$ 1.288, em São Paulo, com variação de 0,4%,  no mês e de 2,9%, em um ano. Salvador registrou variação de 0,4%, em setembro e de -1,6%, em comparação com o ano passado. Seu valor médio equivale a R$ 974.


Em Porto Alegre, o rendimento médio real caiu 1,1%, em setembro, mas aumentou 1,0% em comparação com setembro de 2008. O rendimento médio real na região correspondeu a R$ 1.226. No Distrito Federal, o rendimento real médio de R$ 1.822 refletiu o redução de 0,7%, ocorrida no mês  e significou estabilidade em relação ao dado de setembro do ano passado. Em Fortaleza, o rendimento médio real dos ocupados permaneceu relativamente estável (0,2%), no mês e seu valor correspondeu a R$ 809.  


Mais informações, acesse: www.dieese.org.br

  Categorias: