Medral: proposta rejeitada

24 março 15:47 2010

 


Sinergia CUT alega que reajuste ainda não atende a expectativa dos trabalhadores e apresenta contraproposta


A segunda rodada de negociação da Campanha Salarial 2010 entre o Sinergia CUT e a Medral ocorreu na terça (23). Apesar de um pequeno avanço, novamente a proposta da empresa foi rejeitada na mesa. O Sindicato acredita que os índices apresentados – que não contemplam as reivindicações dos trabalhadores – podem melhorar mais.


A Medral propôs reajuste de 5,72% (ICV Dieese) e aumento real de 0,28% (totalizando 6% de reajuste). Para o Vale Refeição/Alimentação, o reajuste seria de 33,93%, passando a R$ 150. No Plano de Saúde, a  proposta prevê a implantação do convênio da Unimed, sendo o valor de R$ 53,26 pago pela empresa e a diferença de R$ 19,74 pelo trabalhador. Quanto à PLR, a empresa ainda não iniciou a discussão referente a alteração das metas e a forma de como serão divulgadas. As demais cláusulas do ACT, inclusive a de Hora Extra e jornada de trabalho seriam mantidas.


O Sinergia CUT alegou na mesa que o reajuste ainda não atende as expectativas dos trabalhadores e apresentou a seguinte contraproposta: índice de reajuste entre 7,5%  e abono de R$ 300. O negociador da Medral se comprometeu a levar essa proposta para avalição da direção da empresa. Nova rodada ficou previamente marcada para o próximo dia 30.

  Categorias: