Nota da CUT sobre a greve dos professores em SP

01 abril 12:51 2010

A Central Única dos Trabalhadores – CUT mais uma vez repudia a intransigência e o desrespeito do governador José Serra, que se recusa a negociar com os professores estaduais de São Paulo em greve.


Não bastassem os métodos ditatoriais de Serra, que faz da polícia um instrumento para atacar os manifestantes e impedir o diálogo, os partidos políticos PSDB e DEM, em aliança eleitoral, pediram ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE) para que puna com multa o Sindicato dos Professores do Ensino Oficial do Estado de São Paulo (Apeoesp), filiado à CUT, e a presidente da entidade, Maria Izabel Noronha, a Bebel.


 As alegações beiram o absurdo. Acusam a presidente da Apeoesp de ser filiada ao Partido dos Trabalhadores e de ter participado de atividade pública junto com a Ministra Dilma Rousseff. Os professores lutam por reajuste imediato de 34,3%, incorporação de todas as gratificações, um plano de carreira justo e por concurso público de caráter classificatório. Qualquer outra alegação é eleitoreira e tem como objetivo confundir a opinião pública ao deturpar a mobilização da categoria.


A greve é um direito garantido pela Constituição de 1988 e o regime totalitário de Serra, por não admitir oposição, opta pela criminalização dos movimentos sociais. Desde a aprovação da data-base dos servidores, em 2006, jamais o governador aceitou estabelecer uma mesa de negociação com os servidores públicos paulistas.


Todo apoio aos professores estaduais em greve! Todo o apoio a Apeoesp e à companheira Bebel! (Artur Henrique, presidente nacional da CUT)

  Categorias: