CUT participa de Seminário sobre Comunicação Eletrônica

11 novembro 13:18 2010

Nesta terça (9) e quarta-feira (10) aconteceu em Brasília o Seminário Internacional das Comunicações Eletrônicas e Convergência de Mídias. O encontro teve como objetivo central fornecer subsídios para legisladores, reguladores, formuladores de políticas públicas e segmentos empresariais e da sociedade civil no que diz respeito às novas tecnologias. A CUT esteve representada pela secretária Nacional de Comunicação, Rosane Bertotti.


Durante a atividade, a CUT e as entidades da sociedade civil e do movimento sindical entregaram ao ministro da Secretaria de Comunicação Social, Franklin Martins, um manifesto em defesa da liberdade de expressão dos atores sociais nos meios de comunicação. O documento é uma iniciativa do Conselho Federal de Psicologia.


Veja abaixo a íntegra do manifesto:


CARTA AO EXCELENTÍSSIMO MINISTRO CHEFE DA SECRETARIA DE COMUNICAÇÃO SOCIAL, SR. FRANKLIN MARTINS:


Excelentíssimo Senhor Ministro Franklin Martins e Prezados participantes do Seminário Internacional das Comunicações Eletrônicas e Convergência de Mídias.


As entidades e movimentos abaixo relacionados fazem questão de se manifestar no momento de início deste seminário. Acreditamos que a simples realização deste debate consiste em avanço no processo de fortalecimento da democracia no Brasil.


Somos uma parte significativa da mesma sociedade a quem os meios de comunicação recorrem quando são censurados pelo Estado. Isso aconteceu ao longo da ditadura militar, iniciada em 1964. Isso acontecerá sempre que a liberdade de imprensa seja ameaçada.


De algum modo, nós, como sociedade civil, somos os principais guardiões da liberdade de imprensa. Essa defesa foi sempre assumida por nós, inclusive do ponto de vista da defesa dos Direitos Humanos. Logo, não faria sentido que as nossas iniciativas no intuito de participar de um amplo processo de acompanhamento do comportamento dos meios fossem consideradas como ameaça a quem quer que seja.


Entendemos, entretanto, que seja preciso sempre buscar formas de conjugar liberdade de imprensa com liberdade de expressão. Percebe-se que nem sempre os meios de comunicação, no exercício da liberdade de imprensa, garantem a liberdade de expressão dos demais atores sociais. Nesse caso, a liberdade de expressão, conforme prevista na Constituição Brasileira, sofre inaceitável restrição por parte dos proprietários ou responsáveis de meios de comunicação, sejam eles públicos ou privados.


De fato, durante a ditadura militar alguns meios chegaram a ser percebidos como adversários dos interesses da população brasileira, exatamente porque não expressavam as diferentes visões que existiam no seio da sociedade naquele momento. Nos dias atuais, será preciso que a pluralidade de visões presentes no cotidiano brasileiro possam encontrar espaços de expressão.


A participação da sociedade no acompanhamento do comportamento dos meios de comunicação não implicará em intervenção sobre o fazer dos profissionais da comunicação. Do mesmo modo que, em outros objetos de políticas públicas, o controle da sociedade sobre os processos não interfere sobre as decisões dos profissionais. Tal é o caso, por exemplo, dos serviços de saúde, onde não cabe ao controle social a decisão sobre diagnósticos ou procedimentos dos profissionais envolvidos.


Nesse contexto, entendemos que as experiências em curso de criação de Conselhos Estaduais de Comunicação Social no Ceará, na Bahia, em Alagoas, no Piauí, em Minas Gerais, em São Paulo e no Rio de Janeiro, seja uma oportunidade ímpar para exame de formas alternativas de participação da sociedade na gestão de políticas públicas de comunicação. Entendemos que o comportamento de todos os atores sociais deva ser o de acompanhar atentamente essas experiências, fazendo as críticas cabíveis e aproveitando dali todo resultado que possa fortalecer a democracia no Brasil.


Estaremos atentos aos desdobramentos deste Seminário e dispostos a colaborar com iniciativas que visem o fortalecimento não somente da liberdade de imprensa, mas também da liberdade de expressão da sociedade brasileira.


Brasília, 9 de novembro de 2010


CFP – CONSELHO FEDERAL DE PSICOLOGIA


ABEP – ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ENSINO DE PSICOLOGIA


ABPSA – ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE PSICOLOGIA DA SAÚDE


ABRAP – ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE PSICOTERAPIA


ABRAPESP – ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE PSICOLOGIA DO ESPORTE


ABRANEP – ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NEUROPSICOLOGIA


ABRAPEE – ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE PSICOLOGIA ESCOLAR E EDUCACIONAL


ABPRAPSO – ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE PSICOLOGIA SOCIAL


ANPEPP – ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO EM PSICOLOGIA


FENAPSI – FEDERAÇÃO NACIONAL DOS PSICÓLOGOS


IBAP – INSTITUTO BRASILEIRO DE AVALIAÇÃO PSICOLÓGICA


SBPH – SOCIEDADE DE PSICOLOGIA HOSPITALAR


SBPOT – ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE PSICOLOGIA ORGANIZACIONAL E DO TRABALHO


SOBRAPA – SOCIEDADE BRASILEIRA DE PSICOLOGIA E ACUPUNTURA


INSTITUTO SILVIA LANE


CRP-01 – CONSELHO REGIONAL DE PSICOLOGIA DA 1ª REGIÃO


CRP-02 – CONSELHO REGIONAL DE PSICOLOGIA DA 2ª REGIÃ


CRP-03 – CONSELHO REGIONAL DE PSICOLOGIA DA 3ª REGIÃO


CRP-04 – CONSELHO REGIONAL DE PSICOLOGIA DA 4ª REGIÃO


CRP-05 – CONSELHO REGIONAL DE PSICOLOGIA DA 5ª REGIÃO


CRP-06 – CONSELHO REGIONAL DE PSICOLOGIA DA 6ª REGIÃO


CRP-07 – CONSELHO REGIONAL DE PSICOLOGIA DA 7ª REGIÃO


CRP-08 – CONSELHO REGIONAL DE PSICOLOGIA DA 8ª REGIÃO


CRP-09 – CONSELHO REGIONAL DE PSICOLOGIA DA 9ª REGIÃO


CRP-10 – CONSELHO REGIONAL DE PSICOLOGIA DA 10ª REGIÃO


CRP-12 – CONSELHO REGIONAL DE PSICOLOGIA DA 12ª REGIÃO


CRP-13 – CONSELHO REGIONAL DE PSICOLOGIA DA 13ª REGIÃO


CRP-14 – CONSELHO REGIONAL DE PSICOLOGIA DA 14ª REGIÃO


CRP-15 – CONSELHO REGIONAL DE PSICOLOGIA DA 15ª REGIÃO


CRP-16 – CONSELHO REGIONAL DE PSICOLOGIA DA 16ª REGIÃO


CRP-17 – CONSELHO REGIONAL DE PSICOLOGIA DA 17ª REGIÃO


CRP-18 – CONSELHO REGIONAL DE PSICOLOGIA DA 18ª REGIÃO


FITERT – FEDERAÇÃO INTERESTADUAL DOS TRABALHADORES EM RADIODIFUSÃO E TELEVISÃO


ANEAT


FNDC – FÓRUM NACIONAL PELA DEMOCRATIZAÇÃO DAS COMUNICAÇÕES


FÓRUM DE COMUNICAÇÃO DEMOCRÁTICA DO SUL FLUMINENSE


ARPUB – ASSOCIAÇÃO DAS RÁDIOS PÚBLICAS DO BRASIL


FRENAVETEC – FRENTE NACIONAL PELA VALORIZAÇÃO DAS TVS NOS CAMPOS PÚBLICOS


SINDICATO DOS RADIALISTAS DO MATO GROSSO DO SUL


SINDICATO DOS JORNALISTAS DO RIO DE JANEIRO


SINDIJORNAL – SINDICATO DOS JORNALISTAS PROFISSIONAIS DO ESTADO DE ALAGOAS


SINDICATO DOS JORNALISTAS PROFISSIONAIS DO RIO GRANDE DO SUL


SINDICATO DOS JORNALISTAS PROFISSIONAIS DO AMAZONAS


FENAJ – FEDERAÇÃO NACIONAL DOS JORNALISTAS


ABTU – ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE TELEVISÃO UNIVERSITÁRIA


MST – MOVIMENTO DOS TRABALHADORES SEM TERRA


CFEMEA – CENTRO FEMINISTA DE ESTUDOS E ASSESSORIA


ABRAÇO NACIONAL – ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE RADIODIFUSÃO COMUNITÁRIA


CENTRO DANDARA DE PROMOTORAS LEGAIS POPULARES


SOMOS – COMUNICAÇÃO, SAÚDE E SEXUALIDADE


CUT – CENTRAL ÚNICA DOS TRABALHADORES


CTB – CENTRAL DOS TRABALHADORES E TRABALHADORAS DO BRASIL


JUSTIÇA GLOBAL


ABGLT – ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE LÉSBICAS, GAYS, BISSEXUAIS, TRAVESTIS E TRANSEXUAIS


CÁRITAS BRASILEIRA


IBASE – INSTITUTO BRASILEIRO DE ANÁLISES SOCIAIS E ECONÔMICAS


REDE SOCIAL DE JUSTIÇA E DIREITOS HUMANOS (William Pedreira)

  Categorias: